Categorias
Arquitetura e Urbanismo

Blog da FAU em recesso de final de ano

detr

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Mensagem

O Blog da FAU e o mundo

azxz21

Desde o dia 25 de fevereiro deste ano (2012) a plataforma WordPress passou a apresentar estatísticas sobre a fequência do Blog da FAU em um mapa mundi possibilitando a percepção de alcance da comunicação do canal da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da UFPA.
Por mais que nossa audiência esteja concentrada no Brasil, Portugal e Estados Unidos nos visualizaram relativamente bem.
As marcações em laranja mostram os países que acessaram o BF a partir da data mencionada – contudo, o Blog surgiu em 30 de maio de 2010 e findará o 2012 com estimadas 215 mil visitas.
É de praxe que a WP envie um relatório completo das atividades no dia 02 de janeiro que aqui deverá ser publicado ipsis litters, como o fizemos em 2011 e 2012.
Apesar do BF ter sido considerado a Prática Inovadora em Gestão Universitária da Universidade Federal do Pará no ano de 2012, continuamos atuando na banda free da Plataforma, já ultrapassados os 80% desse espaço gratuito, o que nos sujeita a veicular propagandas de modo compulsório; esperamos resolver esse problema em breve (2013), com a negociação do prêmio que, por ora, não nos foi entregue – aguardamos pela estipulação de uma nova data pela Administração Superior, já que o dia 22 de dezembro passado, agendado no site da PROPLAN para esse fim, não foi obedecido.
Os editores Jaime Bibas e Haroldo Baleixe agradecem a participação dos colaboradores, sempre citados nas postagens, e ao público internauta que nos prestigia; esperando que todos gozem de uma magnífica passagem de ano, bem como um 2013 esplendoroso com a concretização dos sonhos – algo ROBERTO CARLOS*, uma velha gíria que significa TUDO DE BOM, PERFEITO, EXCELENTE, MARAVILHOSO…cunhada bem antes da canção Esse Cara Sou Eu,  tema de um romance inverossímil da patética novela Salve Jorge** da Rede Globo.

*À semelhança da expressão ROBERT REDFORD  usada em Hollywood na década de 1980/90 como sinônimo de absoluto sucesso na indústria cinematográfica.
**O folhetim, de última categoria, mostra um Brasil exportador de belas putas-gatas-borralheiras e bolsas-criancinhas-recém-nascidas.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Patrimônio Restauração

Globo News — azulejos

ScreenHunter_02 Dec. 28 15.28

Colaboração: Fragmentos de Belém.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Cultura Memória

ScreenHunter_01 Dec. 26 14.13
Imagem-link.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Cultura Memória

A luta de Deus e o Diabo na terra do açaí; por Carlos Mendes

inri

Lendo no DIÁRIO de hoje (domingo), a entrevista do folclórico Inri de Indaial, ou Inri Cristo, como queiram, deparei-me com algumas considerações do entrevistado que não revelam tudo o que aconteceu durante a curta e agitada passagem dele pela cidade das Mangueiras, em fevereiro de 1982. Principalmente a escaramuça que houve na Praça Dom Pedro II, onde Inri e Fernando Lúcio Miranda, o “Fernando Arara”, travaram uma guerra de ofensas que quase resvala para as chamadas vias de fato.
Deixa eu contar essa estória aqui por mim testemunhada. Eu era frequentador da casa de Fernando Arara, ali na Frei Gil de Vila Nova, atrás do antigo Consulado Americano, na Praça da República, onde ele morava com a mãe, a escritora Lindanor Celina (quando ela vinha passar férias em Belém, porque morava e lecionava literatura portuguesa em Paris). No dia em que o Fernando Arara, mente tão genial e privilegiada quanto louca (se é que as duas coisas não se fundem e completam), soube que o Inri Cristo estava em Belém e era vedete do programa do Eloy Santos na então TV Guajará, da família Lopo/Conceição Castro, decidiu encarar o “enviado” de Deus e tomar satisfações. Fernando Arara era um provocador nato, que morreu tragicamente, esmagado por uma kombi desgovernada da Sefa, naquela mangueira bem na esquina da D. Pedro com a Jerônimo Pimentel, em frente ao Hospital Geral de Belém (HGB).
Era final de fevereiro e as entrevistas do Inri Cristo no programa do Eloy tiveram uma repercussão estrondosa em toda Belém. Com aquela cara de Cristo ocidentalizado, o Inri falava com convicção que era o próprio filho de Deus e dizia curar cegos, cancerosos e deficientes físicos. Multidões iam para a porta do edifício Manoel Pinto da Silva, onde no penúltimo andar, o 25º, funcionava a TV Guajará canal 4, fechando literalmente o trânsito na confluência da avenida Presidente Vargas com as avenidas Nazaré e Assis de Vasconcelos. Uma loucura total.
Na noite anterior, durante um dos quatro ou cinco programas com a participação do Inri, o próprio “salvador” anunciou que na manhã do dia seguinte iria “libertar” o povo da idolatria e do culto às imagens de santos. Ousadia tentar isso na terra de Nossa Senhora de Nazaré e onde também proliferavam centenas de terreiros de umbanda. Dito e feito. Na manhã do dia 28, a praça Dom Pedro II estava superlotada. Por baixo, havia umas dez mil pessoas. Só o general Barata havia conseguido colocar tanta gente na praça em frente ao Palácio Lauro Sodré, onde funcionava a sede do governo papachibé.
No centro da praça, trepado ao lado da estátua de Dom Pedro, a figura do Inri se destacava. Ele pregava para a multidão, largando o pau na Igreja Católica. Ao lado do amigo Raul Thadeu da Ponte Souza, jornalista dos bons, já falecido, eu anotava tudo o que o Inri Cristo falava. Entre ataques às riquezas dos templos católicos e a demonização de bispos e padres, sob aplausos da turba extasiada, ele preparava-se para caminhar com seus discípulos rumo à Catedral, bem pertinho, para “cumprir a vontade de meu pai”, como dizia à multidão, quando eis que aparece o Fernando Arara, aos gritos, chamando o Inri de impostor.
Arara, quem o conheceu sabe disso, era uma figura quase mítica. Inteligentíssimo, estudante de medicina, sabia de cor todas as músicas de Bob Dylan. Sempre com um violão nas mãos, costumava brindar com Dylan a plateia de intelectuais, músicos, atores, e vagabundos metidos a hippies que frequentavam a escadinha do Teatro da Paz. Barbudo, cara de doido, Arara tinha a aparência do Ian Anderson, o flautista genial da banda de rock irlandesa Jethro Tull. Imaginem agora o Fernando Arara, um ateu fervoroso, frente a frente com Inri Cristo, confrontando-o em uma praça diante de uma multidão de fanáticos.
– “Impostor, farsante, canalha!”, berrava Fernando Arara para Inri Cristo. E completava: “Tu não és Cristo porra nenhuma. Tu és uma fraude!”.
Também furioso, com os olhos esbugalhados, Inri Cristo devolvia as ofensas: “Satanás, Belzebu! Meu pai me avisou que tu virias. Eu já te esperava, demônio. Tu estás a serviço dessa igreja cujo povo vou libertar. Vai embora, demônio!”.
Fernando Arara só não avançou para cima do Inri Cristo para comer o fígado dele, porque o Raul Thadeu agarrou o Arara e o afastou no local. Mesmo a uns 20 metros do Inri Cristo, Arara não parava de gritar: “Estelionatário da fé, vigarista de merda, impostor!”. E o Inri Cristo, rebatendo: “Maldito satanás, vai-te daqui!”. Eu quase estava morrendo de rir. O Raul Thadeu olhava para mim e não dizia nada, só fazia coçar os bigodes a la Salvador Dali.
De repente, não mais que de repente, Inri Cristo gritou para a multidão a palavra de ordem: “Expulsem vocês mesmos o Diabo daqui!”. Ordem dada, ordem cumprida. Ao que ver que se continuasse ali, naquela troca de gentilezas com o missionário do Divino, iria virar churrasquinho de gato na praça, Fernando Arara botou sebo nas canelas e saiu de pinote, no rumo da avenida Portugal, aos gritos de “Pega, pega”. Felizmente, ninguém o pegou.
Rindo, com ar de satisfeito, Inri Cristo, ao ver a tarefa cumprida, sentenciou: “Agora que o demônio foi embora, vamos fazer o que meu pai mandou”. E foram todos para a Igreja da Sé, invadida em segundos. Sob os olhares atônitos do arcebispo Dom Alberto Ramos, imagens de santos foram quebradas e o próprio arcebispo tachado de vendilhão. O resto vocês já sabem. Inri Cristo ficou quinze dias no presídio “São José”, na Praça Amazonas. Fui visitá-lo algumas vezes, como jornalista. E anotei coisas que, outro dia, quando tiver tempo, contarei pra vocês.

Fonte: Blog do Gerson.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Literatura

ScreenHunter_01 Dec. 24 18.39

Desnutrir a pedra – Viagem a Andara oO livro invisível – vFcecim – Versão final p ebook.

Livro virtual gentilmente cedido pelo autor ao BF.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo

Algo que deveria ser epidêmico

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Artes Gráficas LAFORA

Memorial da marca LAFORA; por Jaime Bibas

ScreenHunter_16 Dec. 24 08.04

ScreenHunter_05 Dec. 24 07.48

ScreenHunter_06 Dec. 24 07.48

ScreenHunter_07 Dec. 24 07.49

ScreenHunter_08 Dec. 24 07.49

ScreenHunter_09 Dec. 24 07.49

ScreenHunter_10 Dec. 24 07.50

ScreenHunter_11 Dec. 24 07.50

ScreenHunter_12 Dec. 24 07.50

ScreenHunter_14 Dec. 24 07.51

Memorial da marca LAFORA apresentado em PPS.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Música

Vu pra Cametá; Banda Paranoia

Paranoia na TV.

Referência:

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Filmes Patrimônio Histórico

Coleção Paul Albuquerque – Mosqueiro

Mosqueiro 1950′s e 1960′s; por Antonio Paul de Albuquerque. 

Paul Marcus Albuquerque e sua irmã Caralice (filhos de Paul) brincam no jardim da casa e depois na praia de São Francisco com a avó Mildret Albuquerque, mãe de Paul Albuquerque.
Na segunda parte Jack Albuquerque, irmão de Paul, residente nos EUA passeia em companhia do Pe. Marcos, Redentorista que vinha sempre a Belém. Paul faria o projeto do Seminário Redentorista na BR 316.
A praia estava ainda intocada.
Aproximadamente 1969.

Publicação do UFPA 2.o.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo LAFORA

Criada a logo do LAFORA

LAFORAurubu

Avisamos à comunidade acadêmica e aos desocupados externos que o professor Jaime de Oliveira Bibas, o big boss beefelista, concebeu a marca do LABORATÓRIO da FORMA na RAZÃO e na ALUCINAÇÃO; o nosso LAFORA.
Portanto, esqueçamos o natimorto LABORATÓRIO DE MODELOS que nem à carniça chegou.
O nome do nosso amado mestre Roberto de La Rocque Soares permanece, só que agora com todo o alcance da vista dos urubus; longe dos retângulos convencionais que apagam as pessoas da memória – e a memória das pessoas.
A logo de Bibas tem dois elementos técnicos que merecem destaque:
1. A simbologia: um catartídeo do gênero Coragyps e Cathartes sobre a tipologia Caixotes do Ver-o-peso.
2. As cores: o verde do limo e o azul desbotado das saias plissadas das “colegias” do IEP.
Mas o que essas coisas teriam a ver com a FAU?
Nada, absolutamente NADA; daí o nome LÁ FORA.
No início de janeiro providenciaremos as telas para as camisetas, que também serão serigrafadas em alto-contraste:

xcmkmn
Aviso aos plagiadores de boutique: esta postagem tem o caráter tácido da patente; mas, podem copiar, a gente escambimba vocês lá fora.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo

Falo e não falo de Árvore de Natal e Papai Noel

falos“Toda sacanagem é criativa!”, filosofia que norteia o LAFORA: Laboratório da Forma na Razão e na Alucinação.

Categorias
Animação Arquitetura e Urbanismo

AUTUMN STORY – chalkboard animation

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Humor

vvvv5

 

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Literatura

ScreenHunter_09 Dec. 21 15.37

Asa de murmúrios – Viagem a Andara oO livro invisível – vFcecim – Versão final para e-book.

Livro virtual gentilmente cedido pelo autor ao BF.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Moda

O Armani do JB

Jaime Bibas e a giacca assinada por Georgio Armani – sob céu “pré-nevante”.

Estaria marcada para amanhã, dia 22 de dezembro (o primeiro sábado depois do fim do mundo), a cerimônia de entrega dos prêmios Camilo Viana – Uma Cidade Sustentável e Ideias e Práticas Inovadoras em Gestão Universitária.
O Blog da FAU, segundo publicação no site da PROPLAN em 13 de novembro passado – há um mês e oito dias –, conquistou o primeiro lugar como Prática Inovadora da UFPA.
Tal reconhecimento, recebido com entusiasmo pela comunidade da Faculdade, motivou o nosso editor chefe, professor Jaime Bibas, a arrumar-se condignamente para a ocasião.
Bibas ligou para o celular de seu amigo Giorgio e encomendou-lhe “algo universal, sem marcação ocidental”, “parecido com o que já vi tu usares em algum lugar que não lembro”; o estilista, que imaginou Jaime na Europa, mandou-lhe um sobretudo (cappotto) – que aqui pode ser posto em cima de nada.
Bem, a indumentária do big boss chegou no dia 06 de dezembro e até agora ele só a vestiu para a produção da foto acima, defronte do Chalé (europeu) de Ferro, onde JB cursou arquitetura; caso o prêmio não saia amanhã, o Armani será leiloado.
Como foi um presente personalizado, o lance mínimo ficará em 20 mil Euros – uma bagatela diante das circunstâncias históricas.
Investido esse montante o BF chegaria de fato aos píncaros da glória.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Artes Plásticas Filosofia

Divulgação

ScreenHunter_06 Dec. 21 05.09

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Artes Gráficas Artes Plásticas

Pai d’égua!

ScreenHunter_01 Dec. 20 01.16

No site, em “publicações”, há acesso vitual ao livro ITAÍ – A CARINHA PINTADA; completo, em gratuidade.

Material enviado pelo professor Mario Barata.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Artes Plásticas

As Boas Festas da ELF

feliz natal da elf

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Divulgação

Divulgação

547553_209601242510047_940079261_n