Não seriam as chuvas; e, em Belém, os patéticos caminhos que levam à UFPA

ScreenHunter_01 Jan. 15 07.28

Chegar à Universidade nesse período do ano é uma tarefa hercúlea; sobretudo entre o final da tarde e o início da noite, momento em que a energia teima em faltar, como complemento às adversidades que alunos, professores e funcionários têm de enfrentar.
É a dignidade da Cidade que está ameaçada, não somente a da UFPA.
O Portal da Amazônia e o BRT provocaram o maior fenômeno de IMOBILIDADE URBANA que Belém já viu e que ofícios circulares não remediarão.

Imagem | Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Belém, Cidades, Urbanismo e marcado , . Guardar link permanente.

3 respostas para Não seriam as chuvas; e, em Belém, os patéticos caminhos que levam à UFPA

  1. Flavio Nassar disse:

    Me desculpa caro Haroldo, toda a vida nós que levamos a sério nossa profissao acadêmica reclamamos de professores e servidores faltosos e preguiçosos. Tambem reclamamos que a admistracao superior nao toma providencia, agora quando a PROEG toma uma posição, pelo menos formal, indicando, mudança no tratamento da questão, o PROBLEMA É A CHUVA.
    Como dizia FHC: ASSIM NAO PODE , ASSIM NAO DÁ!
    Com chuva ou com sol professor e servidor tem que trabalhar senao tem q ser descontado, nao é assim no mercado de trabalho da educação superior q paga pior do que a universidade pública e nao dá o mesmo prestígio e oportunidade que aqui se oferece.
    Tu nao vens de baixo de chuva, na tua moto dar aula?
    Sao poucos os professores sem-carro hoje na ufpa e sao poucos os q nao sao DE, saiam mais cedo de casa.

    • fauitec disse:

      Flávio:
      Não me refiro às obrigações docentes, essas, ao meu ver, são de 24 horas em 365 dias (full time) — dormimos e acordamos com essa noia, às vezes boa, às vezes má.
      Contudo a Universidade está na Cidade e com ela deve manter relação estreita; inclusive há setores que funcionam fora do Campus.
      São as palhaçadas político-administrativas que desrespeitam o cidadão que estão na mira do BF.
      Passar pela Estrada Nova, quase na confruência com a José Bonifácio, é, no mínimo, surreal; faça chuva, faça sol.
      O mini corredor com crateras lunares lá instalado (na via de saída da UFPA) é o acinte dos acintes à população que ali transita, apesar de haver espaço e maquinário suficientes à solução.
      Curioso é que os prefeitos de Belém esquecem que existe a noite e a madrugada para a realização dos serviços inconvenientes e teimam em transformar Belém em um inferno desnecessário.
      O O. C. da professora Marlene, neste caso, parece contrário ao direito fundamental, de tão absurdo que está chegar à UFPA (ou dela sair).
      Depois de Belém, só o além.
      HB.

  2. Ana Maria Machado disse:

    Concordo plenamente com o professor Haroldo Baleixe: ir à Universidade, local bastante frequentado por jovens de pouco mais de 15 anos de idade que lá acabaram de entrar, é extremamente perigoso, questão de vida ou morte.
    Não bastasse Belém ser uma cidade de segurança ZERO que negativa-se quando cai a chuva (não se encontra uma autoridade com capa ou guada-chuva para se pedir socorro), momento em que os meliantes fazem a festa, institucionaliza-se mais armadilhas para “entregar o ouro aos bandidos”.
    Quando chove forte aconselho meus filhos a não irem à Universidade porque temo pela vida deles em acidentes, assaltos, arrastões, sequestros, etc.
    Carro e moto, professor Flávio Nassar, são muito mais perigosos que ônibus para fazer esse trajeto, mas, nosso transporte coletivo, como dizia o Juvêncio Arruda do 5ª Emenda, só se iguala ao de Nova Délhi, no máximo.
    Sem mencionar o fato de que carros e motos sob a chuva e os descasos governamentais podem ser bastante avariados ou destruídos e sabe-se que os brasileiros não possuem carros ou motos, mas dívidas que rodam geralmente sem seguros.
    Carros e motos só reafirmam a comparação com Nova Délhi, não significam que a vida brasileira (e paraense) melhorou, nem mesmo para os professores universitários motorizados.

Deixe uma resposta para Flavio Nassar Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s