Assunto velho no BF

RDO Blog da FAU muito se manifestou sobre as atitudes da Biblioteca Arthur Vianna em relação às suas obras raras: tanto à proibição do uso de equipamentos fotográficos quando à disponibilidade parcial, no site, de material que foi impresso à época para dar satisfação à sociedade, como é o caso do relatório do Intendente Senador Antonio de Almeida Facióla, apresentado em 20 de maio de 1930 em sessão do Conselho Municipal de Belém, com apenas 10 páginas disponíveis para “degustação” na Internet.
O leitor anônimo do Repórter Diário se equivoca quando diz que a Arthur Vianna cobra 2 Reais por “clique”, ao que saibamos seriam 2 Reais por página impressa.
De todo modo é demasiado estúpido ir à Biblioteca Pública pegar um arquivo digital que deveria estar completo para download na página institucional ou em qualquer “nuvem” free ─ o BF posta livros pelo SCRIBD, o UFPA 2.0 faz o mesmo usando o ISSUU.
Outro caso sério é onde encontrar os relatórios subsequentes, tanto dos governadores (interventores), quanto dos prefeitos pós Revolução de 1930, em especial os de José Carneiro da Gama Malcher e Abelardo Condurú que tiveram mandatos coincidentes durante o Estado Novo de Vargas.

Sobre o Projeto Laboratório Virtual - FAU ITEC UFPA

Ações integradas de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará - em atividade desde maio de 2010. Prêmio Prática Inovadora em Gestão Universitária da UFPA em 2012. Coordenação: professor Haroldo Baleixe.
Esta entrada foi publicada em Arquitetura e Urbanismo, Reprodução de artigos e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas para Assunto velho no BF

  1. Ângela Paulino disse:

    O texto do Pedro Galvão, à lá Sir Sherlock Holmes, ao inocentar Paulo Chaves, dá pistas do fascínora que comanda o sequestro da cultura paraense.
    Nilson Chaves, tão bedel quanto Paulo Chaves, tem culpa somente de tudo que ocorre de errado na Fundação Tancredo Neves, de prédio originalmente projetado para abrigar a enorme biblioteca pública, que deveria ser a âncora daquele espaço Cultural.
    O movimento FORA PAULO CHAVES, segundo Galvão, é equivocado, o correto seria FORA ALEX FIÚZA DE MELO: “…secretário de Promoção Social, e, subordinados a ele, o Paulo, na Secult, Nilson Chaves, no Centur, Ney Messias, na Secom, Adelaide Oliveira, na Funtelpa, Dina Oliveira, na Fundação Curro Velho, Fábio Souza, no IAP, Paulo José Campos de Melo, na Fundação Carlos Gomes.”.

  2. fauitec disse:

    O texto do publicitário Pedro Galvão referenciado pela comentarista Ângela Paulino, publicado no jornal O Liberal de 28 de julho de 2013, pode ser lido aqui no Blog da FAU.

Deixe uma resposta para fauitec Cancelar resposta