Categorias
Arquitetura e Urbanismo Belém Fotografia antiga História Memória

1957 — arredores do Ver-o-peso e porto de Belém

Os audiovisuais aqui editados, a partir de material produzido em 1957 disponibilizado pela Chicago Film Archives, sinalizam que as tomadas ocorreram no mês de junho: aniversário do governador Magalhães Barata e feira de fogos de artifício na Praça do Relógio.
Curiosamente em abril, pouco mais de um mês pretérito, esteve em Belém o fotógrafo russo Dmitri Kessel a serviço da revista estadunidense Life; Dimitri fez registros do Ver-o-peso, do Porto de Belém, da Estação Ferroviária de São Brás, dos ônibus Zepelim, etc. — um olhar acurado talvez revele os mesmos personagens da vida real da cidade de Belém aprisionados pelas duas mídias estrangeiras.
Veja, no Blog da FAU, parte da produção de Dmitri Kessel.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Fotografia antiga História Memória

1973 — equipamentos urbanos do Ver-o-peso


Duas fotografias contidas em Belém (Círio) 1973; por Roberto Serra Freire indicam que pelo menos cinco equipamentos públicos dos arredores da doca do Ver-o-peso funcionavam em outubro de 1973: o Clipper Nº1 geminado à sua duplicação defronte à Praça do Relógio, a Parada com Kiosque que precedeu os clippers; o Clipper defronte à 13 de Maio e o Posto Pará localizado na Marquês de Pombal.
Tal constatação corrobora com O Ver-o-peso de Dona Lourdes Holanda onde a proprietária do posto de combustíveis com bandeira ATLANTIC da Marquês de Pombal afirma que esse equipamento, junto com o Posto Pará e os três clippers que arrodeavam a  Praça do Relógio, foi ao chão na administração de Ajax de Oliveira (prefeito de Belém entre 1975 e 1978) sem nenhuma indenização aos concessionários.


Posto ATLANTIC de dona Lourdes Holanda — datação desconhecida

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Reprodução de artigos

Fatos em foco (2004)

corel212

Imagem-link à Revista AU, edição nº121, de abril de 2004.

Este artigo, publicado na Revista AU, está correlacionado à postagem Ver-o-peso — projeto vencedor concurso nacional 1999.


Ler também o Editorial da mesma edição intitulado Futuro Restaurado escrito por Lúcio Costa.


Ou a edição completa da AU de abril de 2004:

corel219

 

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Concurso

Ver-o-peso — projeto vencedor concurso nacional 1999

À compreensão do que lá está:

FASE 1:

Ver este documento no Scribd

FASE 2:

Ver este documento no Scribd

Projeto Ver-o-peso 1999 – FASE 1 e Projeto Ver-o-peso 1999 – FASE 2 em pdf’s do BF.

Leitura complementar: Revista AU, edição nº121, de abril de 2004.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Fotografia Fotografia antiga

Ver-o-peso — o quebra-cabeças vizinho nos anos 1930


A cada dia que passa a Internet armazena novas imagens de Belém do Pará, o que é fascinante aos olhos de todos; contudo, a falta de referências — ou referências erradas como no caso do IBGE e do Instituto Moreira Salles — confunde a cabeça de qualquer internauta.
Catamos algumas fotografias do Ver-o-peso e sua cercania, tentando dar a elas uma ordenação cronológica desde quando a Praça do Relógio não existia até o final dos anos 1940, momento em que as palmeiras já se encontram taludas.
Na fotografia da coleção Allen Morrison a praça pensada pelo intendente Antonio Facióla, mas inaugurada por Magalhães Barata em 1931, aparece asséptica, com calçamento decorado por ondas e  quatro postes de ferro fundido em seus cantos — a cobertura de um quiosque surge à vista, vizinha, mais próxima ao porto.
Mal crescem as árvores multiplicam-se os postes (é óbvio que iluminar o espaço público fora uma necessidade).
Verifica-se, ainda no pouco desenvolver das palmeiras, que o calçamento contínuo é substituído pelo “dentado” para possibilitar que os coletivos estacionem ao redor da praça.
Antes de criar o estacionamento oblíquo para os ônibus, outra demanda premente fora suprida: o combustível; daí não ser estranho enxergar um pequeno posto fronteiriço à praça Siqueira Campos (ou do Relógio) e com ele as PARADAS de ônibus que se dispõem rapidamente, e de modo estratégico, no centro nevrálgico da Cidade.
Isto sugere que a indústria automobilística empurrara o bonde ladeira abaixo até 1947.


Postscriptvm (o1/11/2014):
Acompanhe a evolução da pesquisa pelo SUMÁRIO que dá acesso às postagens sobre CLIPPERS até 24/10/2014.
Algumas informação contidas nesta postagem podem ter caído por terra em consequência da aparição de novos registros documentais.
Não fazemos nenhuma reparação nos textos originais, apenas colocamos esta nota ao final das publicações cobertas pelo período do resumo.
Aprendamos com os nossos erros.