O Quarteirão H do Guamá

Dentre as ilustrações do livro A Prophylaxia da Lepra e das Doenças Venereas no Estado do Pará – Volume II (1922) encontra-se um mapa de Belém do Pará decalcado do conjunto de cartas geográficas organizado por Theodoro Braga em 1918.
O médico Heraclides César de Souza Araújo, chefe do Serviço de Saneamento e Prophylaxia Rural no Estado do Pará é autor do estudo que reproduz a Carta Epidemiológica da Lepra em Maio de 1922:

O material acima, se observada a área onde se localizava a leprosaria do Tucunduba, transgride a base estabelecida por Theodoro Braga que mostra o local esquadrinhado por paralelismo no arruamento ali projetado.
Os levantamentos de Nina Ribeiro (1883-86) e José Sidrim (1905) dão suporte ao traçado de Theodoro Braga para o velho asylo do Tucunduba; contudo, a representação de Souza Araújo desenfileira a leprosaria e dá a ela um caminho irregular marcando pontos de residência de seis leprosos somados à média de 260 casos naquela marginal colônia.
Souza Araújo em seu texto se refere ao Quarteirão H tanto para falar da inauguração da pedra fundamental em 4 de janeiro de 1920, quanto para descrever os planos mostrados naquela cerimônia ao pretenso Leprosário Modelar.
Mas o que seria o Quarteirão H?
Tal quadra, adjacente ao Tucunduba, aparece demarcada em uma planta publicada no livro Patrimonios dos Conselhos Municipais de João de Palma Muniz em 1904:


Em 1905 José Sidrim planejou o arruamento de toda a superfície e nomeou as vias limítrofes do Quarteirão H:


Uma superposição do croqui de 1922 ao mapa de 1918 que lhe deu origem mostra as duas localizações do Hospício dos Lázaros do Tucunduba, bem como pode ilustrar O Plano do Novo Leprosario:

Nenhuma incoerência se aplicado o traçado de Theodoro Braga à imagem de satélite do Google:


Sobre o Projeto Laboratório Virtual - FAU ITEC UFPA

Ações integradas de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará - em atividade desde maio de 2010. Prêmio Prática Inovadora em Gestão Universitária da UFPA em 2012. Coordenação: professor Haroldo Baleixe.
Esta entrada foi publicada em Arquitetura e Urbanismo, História, Memória, Patrimônio. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta