Os 30 anos da última reforma do Goeldi; por Antonio Carlos Lobo Soares


Fotografias do Goeldi entre 1984 e 1988

Em outubro de 2018 completam-se trinta anos da conclusão da última grande reforma do Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi, financiada pelas companhias Vale do Rio Doce, ALBRAS e ALUNORTE. Entre 1984 e 1988 foram aplicadas 42 mil ORTN’S (Ordens do Tesouro Nacional), hoje equivalentes a 4,5 milhões de reais, na modernização da infraestrutura, fauna e flora dos 5,4 hectares do Parque.
No início da década de 1980, o Parque apresentava sérios problemas de conservação, com seu sistema de drenagem de águas pluviais obstruído por raízes de árvores e por terra carreada pela chuva dos caminhos percorridos pelos visitantes. Os canteiros com as árvores e arbustos do Parque encontravam-se empobrecidos de nutrientes e com pouca variedade de espécies de sub-bosque.
As condições dos animais e seus viveiros eram, sem dúvida, as mais preocupantes. Além deles sofrerem com o estresse devido aos sons dos visitantes e do tráfego rodoviário no entorno do Parque, tanto a estrutura em madeira como as telas dos viveiros estavam precárias (Figura 1), com fugas e mortes constantes de aves e ataques de ratos. Não havia sistema de manejo e contenção dos animais que facilitasse o acesso de tratadores, biólogos e veterinários aos viveiros.
O excesso de animais nos viveiros de jacarés, por exemplo, resultava em agressões mútuas, com exposição de mutilações e feridas, de toda a natureza, aos visitantes (Figura 2). Àquela altura, grande parte da dieta dos animais era constituída de sobras de alimentos doadas por supermercados próximos ao Parque.
A situação da fauna resultava em: índices de mortalidade em cativeiro muito acima da média dos zoológicos nacionais; uma impressão (negativa) de abandono do Parque aos visitantes; e impossibilitava abordar o tema da conservação da natureza e criação de uma consciência ecológica amazônica, como pretendia à altura o Serviço de Educação do Museu implementar.
Com apoio de lideranças políticas locais e nacionais, o Diretor do Museu Dr. José Seixas Lourenço alinhavou a reforma do Parque junto ao presidente do CNPq, professor Lynaldo Cavalcanti de Albuquerque, e às Companhias citadas e incumbiu-me de defender o projeto “Consciência Ecológica da Amazônia” na sede da Vale, no Rio de Janeiro, na sala de reuniões do seu presidente Eliezer Batista.
A tensão vivida naquela que foi a minha primeira viagem profissional marcou-me profundamente. Com 24 anos e recém-formado arquiteto pela Universidade Federal do Pará, encarei aquele desafio como uma oportunidade de aprendizado, modernização do Parque e afirmação profissional, visto que eu era apenas bolsista do CNPq a serviço do Museu Goeldi.
O projeto e os recursos foram aprovados e eu voltei do Rio de Janeiro feliz, mas com uma forte gastrite resultante da tensão, responsabilidade e esforço em defender a reforma do Parque, de posse apenas de uma planta baixa de 1×2 metros, coberta com uma folha de papel manteiga, rabiscada de ideias gerais.
Na década de 1980 não havia literatura disponível na língua portuguesa sobre manejo de animais silvestres em cativeiro, muito menos uma legislação que balizasse os critérios de exibição de animais nos zoológicos nacionais. Neste sentido, quatro ações foram fundamentais para o sucesso da reforma do PZB àquela altura:
– a consultoria do paisagista Ney Dutra Ururahy, que estabeleceu os primeiros passos do projeto paisagístico;
– a contribuição do biólogo Carlos Alves Junior, responsável pela elaboração da primeira Instrução Normativa sobre animais silvestres em cativeiro, elaborada pelo IBAMA em parceria com a Sociedade de Zoológicos do Brasil;
– o acolhimento, com bolsa do CNPq, do experiente tratador de zoológicos na Flórida (EUA) Jim Ellis Jr, que dissertava sobre os zoos brasileiros;
– e a minha participação com o arquiteto Alberto Pereira Góes no curso de “Administração e manejo de animais silvestres em cativeiro”, promovido pela Fundação Parque Zoológico de São Paulo.
Uma equipe formada pelo paisagista, o arquiteto e biólogo citados, o veterinário Humberto Soares e o botânico Paulo Cavalcante, definiu o escopo do projeto que tinha como objetivo geral “Reformular o Parque Zoobotânico do Museu Goeldi para transformá-lo em um instrumento de educação e de conscientização ambiental sobre a importância da preservação da Amazônia”. O projeto partia da premissa de que não era possível falar de educação e conscientização ambiental, aos cerca de 300 mil visitantes anuais do Parque, expondo animais mutilados em viveiros “caindo aos pedaços”!
Assim sendo, a principal ação de reforma do Parque concentrou-se na melhoria da sua infraestrutura e das condições dos animais em viveiros. Além de doações de particulares, o Parque recebia como fiel depositário, regularmente e em quantidade, várias espécies de animais silvestres apreendidas pelo IBAMA, que contribuíam, ao mesmo tempo, para a superlotação dos viveiros e renovação da coleção viva em exposição. Esta entrada imprevisível de animais no Parque prejudicava o planejamento e a aquisição de alimentos e medicamentos pelo Museu.
Definiram-se as espécies de mamíferos, aves, repteis e peixes e as quantidades de indivíduos a serem mantidos e/ou introduzidos no Parque, com vistas a alcançar um equilíbrio no plantel que garantisse animais expostos em ambientes adequados, saudáveis, e em condições de se reproduzirem em cativeiro, o principal sentido da existência de um zoológico.
Tendo em vista o ruído de tráfego rodoviário no entorno do Parque e a setorização dos ambientes dos animais, para aproximá-los da veterinária e quarentena, alguns viveiros localizados junto às Avenidas Magalhães Barata e Alcindo Cacela foram realocados próximos da Tv. Nove de Janeiro, onde ônibus e caminhões (acima de 3,5 ton.) são proibidos de circular.
Para minimizar o estresse causado aos animais pelos visitantes, os pontos de observação foram limitados a uma ou duas faces do viveiro, bem como introduzidas cercas de proteção em ferro e tela (Figura 3), distantes 1,2m dos viveiros, para evitar o contato físico com os animais (Figuras 4 e Figura 5). Nas faces dos viveiros sem visitação foram criados canteiros com plantas arbustivas e decorativas (Figura 6).
No Parque havia viveiros ocupados por animais de hábitos noturnos (raposas, macacos-da-noite, juparás, corujas etc.) que passavam o período de visita “escondidos” do público, dormindo, em abrigos de madeira ou em cubículos de alvenaria. Ou seja, eles ocupavam viveiros e geravam custos de manutenção, mas não eram usufruídos pelos visitantes. Os viveiros foram eliminados e os animais transferidos para outros zoos brasileiros!
Outro aspecto considerado na redefinição do plantel de animais a serem expostos no Parque, foi o equilíbrio entre machos e fêmeas por viveiro. Dependendo da espécie, no caso dos macacos prego (Sapajus apella), por exemplo, para cada macho são necessárias seis fêmeas.  Ou seja, se houver mais de um macho no viveiro e esta relação não for respeitada, a briga pelo território entre eles será constante.
Tradicionalmente os viveiros de aves do Parque eram construídos em madeira, recobertos com tela, pintados de verde, sem sistemas de manejo para facilitar a contenção dos animais (Figura 7), com cobertura parcial em chapa de flandres e com a possibilidade de serem circundados pelos visitantes (Figura 8). Os tratadores tinham de entrar no ambiente para trocar a água e os alimentos dos animais.
Na reforma, os viveiros passaram a ser construídos em estruturas tubulares de ferro, cobertas com tela, pintadas de preto e com sistemas de manejo de portas e controle de água acionados externamente (Figura 9). Foram acrescentados, ainda, telas e concreto debaixo do piso de areia dos viveiros de aves para evitar o acesso de ratos. A cor preta deu mais transparência e facilitou a observação das aves nos viveiros (Figura 10).
No centro do Parque existia um quiosque de venda de lanches, rodeado de carrinhos de comidas típicas (Figuras 11 e Figura 12), com pouca higiene, que foi substituído por uma nova construção toda em madeira “Espaço Raízes”, financiada por empresa privada que passou a ter a concessão do espaço. Neste novo espaço, passaram a ser vendidos alimentos e artesanatos amazônicos de muito boa qualidade.
As duas principais galerias de coleta de águas pluviais do Parque, repletas de raízes e terra, foram desobstruídas e tiveram sua vazão ampliada, para atender a nova espacialização dos viveiros de animais (Figura 13). Todos os bueiros e ramais de coleta e circulação de água foram recuperados e passaram a ter um cronograma de limpeza regular. Um trabalho sob a terra cuja importância é difícil de ser avaliada pelo visitante comum.
Um projeto de sinalização das espécies de animais nos viveiros e árvores nos canteiros, desenvolvido por estudantes de arquitetura da UFPA, foi implementado, resgatando informações importantes sobre a ocorrência das espécies, seus nomes científicos e suas principais características.
Alguns caminhos de visitação foram eliminados ou estreitados visando aumentar as áreas dos canteiros e a proteção das raízes expostas das árvores (Figura 14). Tanto os caminhos como os canteiros receberam, respectivamente, aterro compactado para direcionar a circulação de água até os bueiros e terra vegetal para enriquecimento da adubação (Figuras 15 e Figura 16). Muitas excursões foram realizadas nos arredores de Belém para coletar plantas visando diversificar as espécies de sub-bosque do Parque (Figura 17 e Figura 18).
Durante a reforma do Parque o Museu recebeu muitas críticas. A primeira delas, vinda dos visitantes, questionava a redução da quantidade de animais expostos e a segunda, de alguns funcionários, protestava diante da retirada do estacionamento de seus veículos do interior do Parque. Com muita paciência e sucessivas explicações na imprensa, todos vieram a compreender a importância das mudanças implementadas.
Como resultado, a população voltou a ser surpreendida, com manchetes positivas nos jornais, sobre os diversos nascimentos de animais silvestres em cativeiro. Assim, o Museu pôde implementar uma série de atividades educativas voltadas aos visitantes do Parque, não só para sensibilizá-los sobre a importância do bem-estar dos animais em cativeiro, mas, sobretudo, quanto à necessidade de criação de uma consciência ecológica amazônica.
O reconhecimento do trabalho do Museu fortaleceu o primeiro abraço dado pela população paraense ao seu Parque Zoobotânico, diante da ameaça de construção de novos edifícios no seu entorno. Tratava-se de uma campanha que envolveu artistas, funcionários, intelectuais e a população em geral em prol da preservação do Parque, que culminou com um abraço simbólico realizado em 26 de maio de 1989, com grande repercussão nacional.
Com 123 anos completados em agosto de 2018, o Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi, o mais antigo zoológico brasileiro, começa a apresentar os mesmos desgastes de trinta anos atrás. Ele necessita de novos investimentos que garantam os seus próximos trinta anos no seio da comunidade paraense.

Antonio Carlos Lobo Soares
Tecnologista Sênior do Museu Paraense Emílio Goeldi.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, História, Memória e marcado , , , . Guardar link permanente.

10 respostas para Os 30 anos da última reforma do Goeldi; por Antonio Carlos Lobo Soares

  1. Jorge Santos da Costa disse:

    Quer dizer que os 30 anos da última reforma do Goeldi se dará no mês que entra?
    Que absurdo o desmantelo de um cartão postal de Belém.
    Pô, são três décadas.
    Ave Maria.

  2. Alcemir Aires disse:

    Gostaria que as pessoas vestissem a camisa do Museu Goeldi, como você veste. Nosso querido Parque Zoobotânico está precisando urgentemente, de um trabalho como este, que você coordenou no passado.

    Parabéns pelo excelente trabalho.👍👍👍👏👏👏

  3. Helena da Costa Paredes disse:

    Espetacular sua explanação sobre o aniversário do Museu Emílio Gueldi. Informações precisas que acrescentam à população uma forma de melhorar sua cultura e mostrar a importância desse órgão em toda a sua estrura e funcionamento ao longo de todos esses anos de sua existência. Parabéns!

  4. Wilmar Teixeira de Souza disse:

    Excelente resgate da história do museu, com registros fotográficos e o reconhecimento daqueles que se dedicaram para termos o museu de hoje, dentre eles a tua contribuição. Por outro lado, deixa o alerta da necessidade atual de uma outra reforma para durar mais 30 anos, favorecendo, assim, gerações futuras. Parabéns!! Merece ir para os anais do museu esse documentário.
    Agora aqui pra nós, quem ficou numa boa depois do manejo dos animais foi o macaco prego… 😂😂😂😂

  5. Waldir Silva disse:

    Meu Caro amigo Antônio Carlos.Parabéns pela material. Fiquei orgulhoso por seu empenho e dedicação à esta instituição que por muitas décadas tem sido referencia para cultura, ciências biológicas, museologia, e muitas outras áreas do conhecimento. Que seus esforços e dos demais integrantes da equipe MPEG, repito me orgulham, sejam reconhecidos e sirva de inspiração para as demais gerações. Um forte e caloroso abraço.

  6. Joao Hugo Barral de Miranda disse:

    Parabéns Prof. Dr. Antônio Carlos. Excelente texto além de ser uma oportunidade ímpar de conhecermos um pouco da história desse patrimônio histórico de nossa bela Belém.

  7. Grande Antônio Carlos, sinto-me honrado de ser seu amigo. Brilhante como sempre, desde os tempos do Colégio. Meu irmão, fico feliz em perceber que vc teve uma participação decisiva na história da nossa cultura e na sustentação histórica do nosso Museu.
    Parabéns!

  8. Mara Rubin disse:

    Excelente artigo! Detalha o estado precário em que o Museu Emílio Goeldi se encontrava 30 anos atrás, e o esforço coletivo de reestruturação desse espaço tão importante na Amazônia, tornando-o mais adequado aos animais, às plantas e aos visitantes. O Museu Emílio Goeldi é belíssimo, um espaço de lazer e cultura que, além de abrigar muitas espécies da fauna e da flora amazônicas, é um importante centro de pesquisa. Espero que nosso querido museu receba muitos investimentos, para que as reformas de que ele necessita sejam feitas o mais rápido possível.

  9. Mara Rubin disse:

    Muito orgulhosa do meu amigo Antônio Carlos Soares pela sua importante participação na reforma do nosso lindo Museu! Muito obrigada, Antônio! E parabéns pelo artigo! Muito bem escrito. Foi muito interessante ler sobre os vários aspectos envolvidos para se ter um zoológico funcionando bem. Parabéns!

  10. Mário Augusto G.Jardim disse:

    Compromisso, Etica, Conhecimento e Sentimento são elementos fundamentais para o sucesso de um profissional e sobretudo para a manutenção e fortalecimento de uma Instituição Centenária que viveu e sobrevive na vida dos Paraenses e Brasileiros.
    Parabéns pelo exemplar trabalho..muito sucesso para você.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s