Osmar Pinheiro de Souza Júnior; por Jaime Bibas


A publicação é uma imagem, ampliável para melhor visualização das fotografias.

Sobre o Projeto Laboratório Virtual - FAU ITEC UFPA

Ações integradas de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará - em atividade desde maio de 2010. Prêmio Prática Inovadora em Gestão Universitária da UFPA em 2012. Coordenação: professor Haroldo Baleixe.
Esta entrada foi publicada em Administração e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

5 respostas para Osmar Pinheiro de Souza Júnior; por Jaime Bibas

  1. JORGE EIRÓ disse:

    Belo documentário Bibas, uma denúncia do descaso de gestões desastrosas. Apontei em outro post que, curiosa e pateticamete, as “intervenções artísticas” dos desmontes dessas peças do Osmarzinho foram perpetradas durante a gestão de dois colegas arquitetos.

  2. Belém deve um pedido de desculpas, infelizmente póstumo, ao Osmarzinho (com quem trabalhei nos anos 1970, na Mendes Publicidade). Que cidade é esta, onde seus dirigentes destroem (por quais inexplicáveis interesses?) obras de arte, vestígios de história? Na época da destruição da “Caza do Povo” mostrei o absurdo Pelas Ruas de Belém: http://pelasruasdebelem.zip.net/arch2010-01-01_2010-01-31.html#2010_01-28_22_39_00-10174982-0 Diz-que iam fazer algum reparo, mas nada aconteceu. E o crime ficou aí. Ainda voltei ao assunto, mas, nada. E os crimes anti-Belém continuam… Parabéns, Bibas! Resistamos e registremos a verdade!

  3. JBibas disse:

    Oi Fernando, obrigado. Enquanto as desculpas (póstumas) não chegam, vamos resistindo da forma possível, com o registro “da verdade” como dizes…

  4. Prezado Bibas, excelentes suas e de outras pessoas as referências ao Osmar nosso colega de Curso de Arquitetura e seus trabalhos que por insencibilidade de gestores foram destruidos.
    Por isso acredito que bens culturais devem sempre ter proteção legal de preservação para prevenir essas ações que comumente ocorrem.
    Um abraço, Euler Arruda.

Deixe uma resposta para JORGE EIRÓ Cancelar resposta