O Ver-o-peso de Dona Lourdes Holanda

Jpeg
O mapa acima foi desenhado às 15 horas de hoje por dona Maria de Lourdes Holanda, 86 anos, dona do posto de combustíveis de bandeira ATLANTIC, localizado à margem esquerda da doca do Ver-o-Peso, fotografado em abril de 1957 por Dmitri Kessel para a revista estadunidense LIFE no momento  em que um ônibus Zepelim, da Viação Triunfo,  nele abastecia:

04 Dona Lourdes não se recorda quando passou a administrar o posto comprado por seu irmão, Renato Queiroz Holanda, que, por não gostar de lidar com combustíveis, abandonou a atividade passando a ela a propriedade; entretanto, guarda na memória a demolição da edificação no período em que Ajax de Oliveira fora prefeito de Belém, entre 1975 e 1978, indicado por Aluísio Chaves.
Nesse período, segundo dona Lourdes Holanda, tanto os dois postos de combustíveis  ─ o outro era o POSTO PARÁ de bandeira ESSO ─, quando os três CLIPPERS que arrodeavam a praça do Relógio foram ao chão sem indenização àqueles que os exploravam comercialmente.

020306

As fotografias acima, sem datação ou autoria, mas que provavelmente foram tiradas por ocasião da virada da década de 1960 para 1970, mostram a precisão na localização dos equipamentos urbanos na memória de dona Lourdes Holanda ─ ela, ao fazer a planta, não tinha conhecimento dessas imagens.
Só uma vez o POSTO ATLANTIC foi chamado de clipper por dona Lourdes; o termo, como grafado no mapa, foi empregado para se referir aos abrigos públicos destinados aos passageiros dos ônibus, como o que ficava entre o POSTO PARÁ e o seu, na Marquês de Pombal, “lugar de muita confusão”, já que hospedava dois botecos: um em cada extremidade.
Sabe-se agora, depois da conversa, que o tanque do ATLANTIC permanece sepultado no mesmo local, cheio de areia; o posto vendia gasolina e possuía um recipiente externo, “dentro do clipper”, para armazenamento de querosene; os barcos eram abastecidos por tonéis trazidos pelas tripulações. “Óleo diesel, só no Carmo”, lembra a criadora do bloco Tia Lourdes, tradicional no carnaval de Salinópolis nos anos 1980:

lh


Outras informações fornecidas por dona Maria de Lourdes Holanda estão sendo checadas para comprovação documental e deverão surgir em postagens futuras, aguardem.


Postscriptvm (o1/11/2014):

xcvb

O POSTO ATLANTIC, de dona Lourdes Holanda, em janelamento de fotografia do acervo do IBGE, publicada inteira em O que a palavra CLIPPER identificava?.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Pesquisa e marcado , , . Guardar link permanente.

4 respostas para O Ver-o-peso de Dona Lourdes Holanda

  1. José Maria disse:

    Belém é uma miçanga. Meu pai foi médico da Dona Lourdes muitos anos. Quando eu a conheci ela era dona do posto em frente ao São José, que existe até hoje.

    • fauitec disse:

      É justamente isso José Maria: Dona Lourdes teve o ATLANTIC demolido na gestão de Ajax Oliveira e adquiriu outro posto de combustíveis localizado na 16 de Novembro com a Cesário Alvin; pelo seu relato, ela vendeu esse posto em 1993 para “passear e aproveitar sua casa de Salinas”, quando completou 65 anos de idade.

  2. Muito bonito, amigo Baleixe.

  3. Paulo Andrade disse:

    Sempre interessante, a história.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s