A Nossa Senhora do Ó de Mosqueiro foi de José do Ó

 

asw2

Nossa Senhora do Ó de Mosqueiro

Em 25 de setembro de 1858, a contragosto do padre Castillo, foi sancionada a Lei Provincial nº321 que transferiu a sede da freguesia de Nossa Senhora da Conceição (Concepção) de Benfica para a Ponta do Mosqueiro — não se sabe exatamente desta localização.
Apesar dos esforços do vigário e dos habitantes de Benfica, que reedificaram a velha igreja de lá, a Assembleia Provincial ordenou a Antonio José Bentes à construção da nova igreja matriz de Benfica na ilha do Mosqueiro ao cumprimento da Lei; a ermida foi erigida, mas seu frontispício desabou antes da conclusão da obra e os jornais silenciaram diante dos desígnios de Deus.
Novas discussões reaparecem ardentes na Assembleia Provincial uma década depois, desta vez trata-se da elevação da povoação do Mosqueiro à categoria de freguesia e, para tal, a necessidade de uma igreja e cemitério — estes lá já haviam e eram de propriedade da Irmandade de Nossa Senhora do Ó, uma agremiação privada de interesses próprios que conquistara a simpatia do Bispo Diocesano Dom Antonio de Macedo Costa.
José do Ó de Almeida, deputado provincial do Partido Conservador, foi o autor do projeto de lei e da indenização, pela Província do Gram-Pará, da igreja e cemitério em funcionamento, mas inacabados; desse modo, além do ressarcimento à Irmandade do Ó, houve concorrência à arrematação da obra da Igreja de Nossa Senhora do Ó conforme o Jornal do Pará (30SET1869) que dá ao conhecimento público o orçamento feito pelo engenheiro da Câmara Municipal a partir de seu plano.
A imagem da Santa Padroeira do Mosqueiro viera da Ilha das Onças onde José do Ó possuía, no interior de sua Colônia Agrícola Nossa Senhora do Ó, uma capella:

GO14JAN1860

A nota acima é do período da construção, na Ponta do Mosqueiro, da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição de Benfica; a imagem de Nossa Senhora do Ó deve ter sido transportada ao Mosqueiro em meados de 1860 com a falência da Colônia da Ilha das Onças e a fixação de José do Ó de Almeida na ainda povoação de Mosqueiro onde se tornou absoluto suserano, ou pachá, como o chamou o periódico Santo Officio.

José do Ó (de Almeida), hoje homenageado como rua na Vila do Mosqueiro, paralela a de Nossa Senhora do Ó, foi o agrimensor responsável pelo desenho daquele núcleo populacional e, quiça, pela construção da igreja que Dom Antonio de Macedo Costa frequentou e ministrou missa; aliás, Macedo Costa foi presenteado pela povoação do Mosqueiro com uma chácara para sua residência naquele remoto lugarejo:

DB16OUT1868José do Ó de Almeida também foi o criador do primeiro jornal da ilha: O Mosqueiro; assunto a ser tratado em publicação futura, ora em investigação.

Acompanhe, sem a intermediação ideológica dos jornais, as discussões sobre Mosqueiro (e o conheça como na época) nas transcrições taquigráficas de algumas sessões da Assembleia Provincial em 1868 — observamos que as datas dos periódicos não correspondem às das reuniões pelo tempo necessário às decodificações.
Nas últimas delas peleja-se sobre o desapropriamento da casa de Bras Antonio Duarte que ficava dentro do traçado da Praça da Matriz e: a insalubridade urbana da Ilha:

Diário de Belém — outubro e novembro de 1868 (pdf).

As fontes da pesquisa estão nos hiperlinks.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, História, Memória e marcado , , . Guardar link permanente.

8 respostas para A Nossa Senhora do Ó de Mosqueiro foi de José do Ó

  1. Estão vocês a reescrever a História de Belém do Pará de modo sóbrio.
    Que bela imagem do século XIX.
    Meus sinceros parabéns.

  2. Paula Santos disse:

    Ninguém conta isso nos colégios.
    Será que os mosqueirenses sabem desses fatos e desse do Ó e da santa dele?
    Muito legal.

  3. Dom Macedo Costa, esteve presente na “ereção do primeiro esteio da ponte …” em 1889 . Um ato digno de registro: ” com a presença de muitas pessoas o Sr Cônego Macedo Costa, desceu até a praia, lançou a bênção da igreja sobre a iniciação dos trabalhos, recebeu aplausos e ao fundo ainda havia a execução de musica pela excelente Banda do Instituto Providencia, pouco tempo depois faleceria na Bahia. Sem dúvida um ato de grande valia para a historia de nossa ilha.

  4. Jorge Ricardo Vilhena disse:

    A imagem de Nossa Senhora do Ó veio da ilhas das onças, foi confeccionada por quem, aonde e se tem registro?

  5. sóstenes disse:

    Olá, Bom dia, Ótimo Artigo, só gostaria de saber ser já tens outro artigo sobre: “primeiro jornal da ilha: O Mosqueiro; assunto a ser tratado em publicação futura, ora em investigação.” que você relatou no final?
    obrigado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s