O selo do Tricentenário de Belém foi criado por Theodoro Braga

Selo Theodoro Braga

O selo acima, comemorativo do Tricentenário da Fundação da Cidade de Belém do Pará, foi criado por Theodoro Braga em 1915 — Theodoro Braga compunha o Diretório do Comitê Patriótico da Fundação de Belém.
No dia 06 de novembro de 1915 o desenho de Theodoro Braga foi entregue a Ennes de Souza, diretor da Casa da Moeda, para ser reduzido e gravado pelos seus artistas especiais; já impresso e descrito pelo jornal Estado do Pará de 15DEZ1915, seguiu no dia 17 do Rio de Janeiro (Capital Federal) para Belém.

Descrição do selo de Theodoro Braga no Estado do Pará (ampliável)

images

Tela A Fundação da Cidade de Nossa Senhora da Graça de Belém do Grão-Pará concluída em 1908

O selo comemorativo de Braga não fugiu ao padrão compositivo da pintura encomendada por Antonio Lemos e para a qual ele (T. B.) fez investigações na Europa; provavelmente esses estudos históricos pretéritos o embasaram a publicar, no mesmo jornal Estado do Pará (de 09ABR1915), o artigo Póde-se precisar o dia da chegada de Cadeira de Castello Branco ao Pará? — um cisma diante da verdadeira data de fundação de Belém, já que para ele a provável chegada de Castello Branco ao Pará tivesse sido, o mais tardar, a 10 de janeiro d’esse anno (1616)?!
O escrito de T. B. joga uma provocação ao futuro: Entretanto, podemos ficar tranquilos, nós de 1916; porque os paraenses de 2016 acharão alguma coisa feita por nós, evocando a data magna de nossa história regional, cercando-a de louros e de estudos.
Em 1º de maio de 1916, pós Festas do Tri-centenário, Theodoro Braga assumiria a direção do Instituto Lauro Sodré por determinação do governador Enéas Martins; Braga viria a pedir demissão do cargo um ano depois.

Fon-fon comp

Fon-Fon, em sua cobertura das Festas do Tricentenário, não mostra a imaginável efusão do evento que se pretendia nacional (ampliável)


Postscriptvm (08JAN2020):
A questão levantada em 1915 por Theodoro Braga em Póde-se precisar o dia da chegada de Cadeira de Castello Branco ao Pará? foi por ele próprio elucidada em 1927 quando o artista plástico e historiador paraense traduziu dois códices manuscritos pertencentes ao Museu Paulista à revista editada pelo engenheiro civil Afonso d’Escragnolle Taunay, diretor da instituição  —  T. B. já estava radicado na cidade de São Paulo, na avenida São João nº185-A —; tais documentos, demolidores de teses que Braga considerava incongruentes, deram razão definitiva aos apontamentos de Frei Vicente Salvador analisados por Capistrano de Abreu que faleceria aos 74 anos incompletos no Rio de Janeiro naquele mesmo 1927.
Theodoro Braga especulara, por dedução, o dia 10 de janeiro de 1616 — mais tardar — como a data magna da fundação de Belém; errou por dois dias: é o que nos faz compreender Augusto Meira Filho em seu livro Evolução Histórica de Belém do Grão-Pará:

AMF
Ampliável à leitura

Por ora estamos na busca da Revista do Museu Paulista de 1927 para aqui disponibilizá-la aos leitores; mas segue, em pdf, o ANNUARIO DE BELÉM Em commemoração do seu Tricentenário citado por Meira Filho à página 58:

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Artes Gráficas, Fotografia antiga, História, Memória e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O selo do Tricentenário de Belém foi criado por Theodoro Braga

  1. CarlosCesar disse:

    Égua eu tenho esse sêlo.

  2. paulo queiroz disse:

    Se Theodoro Braga estivesse certo hoje seria feriado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s