Divulgação/convite à FAU

Em setembro, na Elf:

Insano de Mim – Mostra de acervo com intervenção de Drika Chagas

Há uma razão na falta de razão.

Foto: Simões. Acrílica s/ papel, 1992.

Se um homem tivesse encontrado a razão que levava Dom Quixote a fazer isto ou aquilo, conheceria o sofrimento provocado pelo vazio, porque perderia sentido lutar pelo eterno e pelo infinito. A delirante alegoria da obra de Cervantes encaixou a fantasia transgressora que reside na mente humana nos irresistíveis apelos da insanidade, do sonho e da realidade. De fato, há uma razão na falta de razão!
Assim pensando, dá pra concluir que viver é a prática da falta de razão: dizem até que alguém “se faz louco para bem viver”… e, se assim não fosse, como, então, seria possível passar pelo cotidiano sem ver lesada a esperança? Como romper a densa camada onde estão enclausurados os pensamentos racionais se a ninguém importa nada de nada que não seja o seu próprio interesse? Seria a razão, portanto, o interesse? Há espanto, hoje, diante de qualquer ato de generosidade. E todos os que se dizem não insanos vivem a perguntar, diante desse ato: qual é a razão da pessoa tê-lo feito? A solidariedade perdeu a razão!
Se, ainda, acaso tentasse argumentar contra os argumentos dos hermeticamente sensatos, estaria perdido. Não encontraria palavras que os convencesse sobre o essencial, que não é visível aos olhos: eles deixam de ver a beleza, não percebem cores nem sabores, não escutam a melodia da chuva ao findar o dia… Estão fechados em seus sepulcros e já não querem mais saber de nada. No entanto, no mesmo lugar onde se localiza o sepulcro, reside também o berço, que permitirá o percorrer de um novo caminho.
Quem quiser se aventurar e seguir por este novo caminho perceberá o grito que ainda ecoa na alma, a chama que ilumina as paredes frias, o sabor que está contido na apreciação do belo. Sem dúvidas, a escolha significaria seguir pelo caminho Quixotesco do enfrentamento da sua loucura e das diversas faces dos moinhos.
É neste caminho que estamos hoje – porque setembro chegou – quando prontos para assistir a intervenção de Drika Chagas, na hora, e diante dos desenhos de Simões e PP Condurú, dois talentosos paraenses que bem representam tudo o que se deseja mostrar na exposição “Insano De Mim”. Os desenhos que compõe a mostra pertencem ao acervo da ELF GALERIA, que se propõe levar a quem desejar ser como Quixote, a reelaborar a sua insanidade por meio da arte, buscando na poesia escrita nas cores e formas e nas palavras, o desequilíbrio que poderá transformar vidas cansadas (porque a razão cansa!) em alegres e singulares extravagâncias, longe do que está regulamentado e enquadrado, mais próximo da liberdade de ver, gostar, ouvir e expressar. E assim será porque, como atividade sequencial à exposição, no dia 15 de setembro, acontecerá um sarau literário, que versará sobre o tema exposto, acreditando que toda a loucura será perdoada.

Serviço:
Abertura da mostra para convidados: 1 de setembro de 2012, de 11 às 14h
Visitação: de segunda a sexta, de 10 às 19h e aos sábados, de 10 às 14h, até o dia 22 de setembro.
Sarau Literário: dia 15 de setembro, de 11 às 14h, sob a coordenação de Luciana Brandão, Edney Martins, Valéria Fagundes e Fernando Maués

Esse post foi publicado em Artes Plásticas e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s