O acervo fotográfico não identificado da BC/UFPA

012 tratada

UFPA

Imagem plena e recorte do local onde viria a ser o Campus do Guamá em comparação à foto de satélite atualmente no Google Maps.

A Biblioteca Central possui uma quantidade razoável de fotografias que poderiam ilustrar boa parte da história da Universidade Federal do Pará, entretanto, perto de 100% desse material não tem identificação, carece de datação, autoria, circunstância dos acontecimentos, reconhecimento de pessoas, etc.
Na sexta-feira passada estivemos com a bibliotecária e diretora da Biblioteca Central da UFPA, Maria das Graças da Silva Pena ‒ a Graça Pena ‒, que nos forneceu uma pasta com mais de 850 arquivos; deles, três têm, grafados à caneta na própria fotografia: “Aula inaugural – 12 – 2 – 68”; percentual desprezível diante de seu universo.
Montamos uma pasta na nuvem gratuita DROPBOX com o conteúdo do pendrive exatamente como foi carregado na BC e a enviamos a diversas pessoas, entre colaboradores do Blog da FAU e pesquisadores da UFPA e independentes e algum retorno já começou a aparecer, como no caso dos professores Oswaldo Coimbra e Fabiano Homobono que identificaram o ex-governador do Pará, Aurélio do Carmo, como uma das figuras mais repetidas nas cenas de comemorações, um verdadeiro Guarasuco.
Oswaldo Coimbra também reconheceu o violonista Sebastião Tapajós, ainda rapazola, dando um concerto; é um começo para se descobrir onde e quando esse fato ocorreu.
Nesse acervo podemos acessar 10 fotografias aéreas de Belém, das quais o zoom de uma está na postagem Situação e locação aproximadas do Hospital Domingos Freire; tais imagens, enviadas na quinta-feira pelo professor José Maria de Castro Abreu Júnior, têm gerado polêmica na datação, mas revelam o uso de uma ferramenta tecnológica moderna à época, a aerofotogrametria, para encontrar um local adequado em Belém e lá instalar o campus universitário; escolheram a área acima, na margem do Guamá, incluindo a foz do Tucunduba (com parte navegável do igarapé dentro do terreno) e adjacências, que não aparecem ‒ sobre esse conjunto aerofotográfico o professor Fabiano Homobono tem um palpite: seriam alguns quadros de um levantamento encomendado em 1955 pela Prefeitura Municipal de Belém.
Vejam imagens do que chamamos de “O acervo fotográfico não identificado da BC/UFPA“:

ST

Sebastião Tapajós, se com 16 anos, seria o ano de 1960, quando assumiu Silveira Neto, deixando o cargo em 1969.

EF

“Além de ter sido Assessor Técnico e professor da extinta Faculdade de Filosofia, o Prof. Dr. Edson Franco foi o primeiro Diretor do Colégio da UFPa., hoje transformado em curso de 2o. Grau do Núcleo Pedagógico Integrado” (INFORMATIVO U.F. DO PARÁ EDIÇÃO HISTÓRICA 20 ANOS).
O texto do Informativo não ajuda na datação ou circunstâncias em que a foto foi tirada e Edson parece um jovem com pouco mais de vinte anos, é outra figurinha carimbada do conjunto.
O homem de pé, segundo o professor José Maria de Castro Abreu Júnior, é o médico Elias Kalume, naquele tempo Secretário da Reitoria.

Imagem (838)

Imagem (847)

Um evento na Escola de Engenharia do Pará, registrado em 20 chapas (da 837 a 856), que comprova o que dizia o professor Roberto de La Rocque Soares: “Os Rosenhain vieram da Escola de Engenharia” – há dois na foto, mas as pranchetas parecem de aço.
Qual o porquê da visita do Reitor? O que ele inaugurava? Chegada de equipamentos, reforma predial? Que ano foi isso?

15UFPA

16UFPA

Epílogo Gonçalves de Campos e sua esposa Mariana ladeiam o Reitor Silveira Neto como convidados ilustres de alguma cerimônia; Epílogo e Silveira eram médicos, amigos e correligionários desde a União Democrática Nacional ‒ UDN; Epílogo foi “embaixador” da Universidade do Pará (Federal em 1965) na capital da República por ser o autor do Projeto de Lei Nº2268 de 1952 que estabelecia sua criação (no mandato 1951/55 pela UDN) ‒ as imagens podem estar compreendidas entre 1960 e 1967, quase o reitorado inteiro de Silveira, pois Epílogo elegeu-se deputado federal consecutivamente: em 1959-63 (UDN) e 1964-67 (ARENA ‒ Aliança Libertadora Nacional); quando cassado e suspenso seus direitos políticos por 10 anos com base no Artigo 4º do Ato Institucional Nº5 de 1968, expedido por Decreto de 7 de fevereiro de 1969, publicado no D.O.U de 10/02/1969, p.1331, Epílogo estava na condição de suplente de deputado federal.
José da Silveira Neto permaneceu no cargo máximo da Universidade até 1° de julho de 1969, sem conseguir fazer seu sucessor.
Mariana de Gonçalves Campos, filha de Epílogo e Mariana, acredita que as duas fotografias sejam do ano de 1968; leia o que disse Mariana em Comentários:

[…] As fotos com a presença de Epilogo de Campos na 1ª fila, quem está em pé discursando é o então Ministro da Educação Tarso Dutra, Epilogo era Secretario do Ensino Superior, deve ser o ano de 68, pois ele foi cassado em 69. A recepção em que as esposas, Mariana de Epilogo e Izolina de Silveira, estão presentes deve ter ocorrido na sequencia do mesmo evento! […].

Outro comentário, de Internauta Assíduo, que prefere o anonimato, corrobora com Mariana de Gonçalves Campos, dado mais detalhes:

[…] As fotos em que o Epílogo aparece com a esposa, dona Mariana, são de uma solenidade na ocasião em que ele era Diretor do Ensino Superior do MEC, na gestão do Costa e Silva, quando o ministro era o Tarso Dutra.
Nessa viagem, o Tarso não veio, mas aparece em outras fotografias do acervo da UFPA em outras ocasiões.
A exoneração do Epílogo e a cassação teriam sido uma sacanagem também do Tarso, além, é claro, do Passarinho.
É o que está na minha memória […].

Imagem (1362)

Imagem (1378)

Por que duas imagens do Ginásio Municipal Alfredo Chaves, que funcionou onde hoje é a CODEM, integram o acervo? Haveria algum interesse da Universidade no prédio? Seria previsão para hospedar sede de escola ou faculdade novas; ou: um pensado remanejamento das já existentes?

Imagem (939)

Alguma atividade na Escola de Arquitetura, no Chalé de Ferro quando na Almirante Barroso; à esqueda, em primeiro plano, Milton Monte; a cabeça acima dele parece do professor La Rocque. Outros mais velhos haverão de reconhecer mais dessas pessoas.

Para postagem

Manifestação contra o Reitor da UFPA, o médico e professor José da Silveira Neto, no governo militar do general Arthur da Costa e Silva; sabe-se disso porque faz parte da pichação, mas qual o ano? 1968, com a publicação do AI-5?
Quem ilumina o assunto é o professor José Maria Filardo Bassalo:

[…] Como o Aloysio Chaves assumiu em 2 de julho de 1969, a foto do xingamento do Silveira pelos estudantes parece ter sido no primeiro semestre de 1969. Pelo seguinte. Na eleição de substituição do Silveira este havia escolhido o Martin para ser seu substituto e, por isso, o colocou em primeiro lugar na então lista sextupla que seria escolhida pelo então CU (Conselho Universitário). No entanto, o Ministro Passarinho pediu para o Silveira incluir o nome do Aloysio na lista. Então, o Silveira colocou-o em último lugar. O Passarinho inverteu a lista e escolheu o Aloysio em dezembro de 1968, depois da edição do AI 5, em 13 de dezembro de 1968 […].

E complementa:

[…] pois houve uma certa resistência dos silveiristas contra a indicação do Aloysio […].

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia, Fotografia antiga, História da UFPA e marcado , , . Guardar link permanente.

5 respostas para O acervo fotográfico não identificado da BC/UFPA

  1. Jonas Costa disse:

    Simplesmente fantástico, uma viagem no tempo dentro de uma universidade federal que tinha fortes relações políticas com os que orquestraram e mantiveram o Golpe Militar de 1964 até a linha dura de 1968 e a mais dura ainda entre 1970 e 1974, com o Emilio Garrastazu Médice.

  2. Mariana de Gonçalves Campos disse:

    As fotos com a presença de Epilogo de Campos na 1ª fila, quem está em pé discursando é o então Ministro da Educação Tarso Dutra, Epilogo era Secretario do Ensino Superior, deve ser o ano de 68, pois ele foi cassado em 69. A recepção em que as esposas, Mariana de Epilogo e Izolina de Silveira, estão presentes deve ter ocorrido na sequencia do mesmo evento!

  3. Paulo Andrade disse:

    Bom trabalho este, do colega Haroldo Baleixe e colaboradores.
    Infelizmente trata-se de um passado anterior à minha vivência como universitário, que só aconteceu a partir de 1966 e formatura em 1971.
    Nada, porém, é mais patético do que constatar que um centro de saber é manipulado por política.
    É como sempre digo: nada, nada mesmo, é feito sem ideologia, nem arte, nem ciência…
    Que me perdoem os incautos e distraídos que acreditam em Papai Noel.

  4. Internauta Assíduo disse:

    As fotos em que o Epílogo aparece com a esposa, dona Mariana, são de uma solenidade na ocasião em que ele era Diretor do Ensino Superior do MEC, na gestão do Costa e Silva, quando o ministro era o Tarso Dutra.
    Nessa viagem, o Tarso não veio, mas aparece em outras fotografias do acervo da UFPA em outras ocasiões.
    A exoneração do Epílogo e a cassação teriam sido uma sacanagem também do Tarso, além, é claro, do Passarinho.
    É o que está na minha memória.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s