A inauguração do Condor-Restaurante-Bar (1938?)

2347

Inauguração Condor2

A nota do jornal O Estado do Pará, enviada pelo colaborador Aristóleles Guilliod de Miranda, refere-se à inauguração do Condor-Restaurante-Bar; contudo, interpreta-se, pelo texto, que o fato não ocorrera, ao menos com as devidas pompa e circunstância comuns à época.
Pela notícia o bar existia antes de ser arrendado ao senhor João de Barros pela Prefeitura Municipal de Belém, sua proprietária; parece que a novidade seria a nomenclatura (Condor Restaurante Bar), a modernização do espaço e a ampliação dos serviços à “… toda área pública do aeroporto.”.
Lembremos que o primeiro hidroavião da empresa alemã SYNDICATO CONDOR LTDA pousou em Belém no dia 15 de abril de 1936, como mostra a postagem A companhia aérea que batizou o bairro da Condor; resta-nos descobrir como e quando surgiu a estrutura aeroportuária à margem do Rio Guamá e encontrar fotografias que ilustrem sua arquitetura.

Sobre o Projeto Laboratório Virtual - FAU ITEC UFPA

Ações integradas de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará - em atividade desde maio de 2010. Prêmio Prática Inovadora em Gestão Universitária da UFPA em 2012. Coordenação: professor Haroldo Baleixe.
Esta entrada foi publicada em Arquitetura e Urbanismo, História, Reprodução de artigos e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

1 respostas para A inauguração do Condor-Restaurante-Bar (1938?)

  1. Paulo Andrade disse:

    Na minha juventude (!968-70), frequentávamos o “Palácio dos Bares”, bem na esquina da praça da Condor com varanda que se projetava sobre o rio.
    Nossas noitadas de sábado e feriados sempre acabavam por lá.
    Em volta da praça havia diversos “comes e bebes”, inclusive o famoso “Caranguejo do Patesco” com mesas na calçada, onde um carneiro vira-latas flanava em volta; o diabo do animal comia de tudo, inclusive baganas de cigarro acesas!
    O “leão de chácara” era famoso, um ex-lutador, da Polícia Civil, o Galo Teso, fazia a segurança do local.
    A Condor não tinha rival.
    Bons tempos, mesmo com as sombras da ditadura militar sempre ameaçando.

Deixe uma resposta