Mercado da Cremação (1933)

MC
A página 17 da Noite Ilustrada de 28 de junho de 1933 traz esta fotografia acompanhada da nota O novo mercado de arrabalde à Avenida 22 de junho, inaugurado pela Prefeitura.
O Mercado da Cremação ficava na esquina da 22 de Junho (hoje Alcindo Cacela) com a São Miguel — reparando bem é possível ler Casa São Miguel nas fachadas do canto.
Hoje no local está a Unidade de Educação Infantil CREMAÇÃO da Prefeitura Municipal de Belém; contudo: RUMA* Albuquerque, morador antigo do bairro, chama atenção ao alinhamento desse (novo) prédio que segue a fachada do antigo Forno de Cremação, obra da Intendência de Lemos publicada no Álbum de Belém (1902).
Ruma recorda que o recuo do prédio era suficiente à montagem de uma feira livre na calçada; o que nos faz supor que o Mercado da Cremação obedecia ao afastamento da antiga Sucursal do Corpo de Bombeiros Municipais, construída, cronologicamente, depois do Forno e com fotografia publicada em relatório de Lemos (1906).
Esse alinhamento ganha credibilidade quando se observa a semelhança arquitetônica entre o Mercado da Cremação e a Sucursal dos Bombeiros (hoje Comando de Missões Especiais da PM): como se Abelardo Condurú, quando prefeito na primeira interventoria de Magalhães Barata, quisesse retomar algum plano de Antonio Lemos.
Tentaremos explicar o dito por imagens:

Planta superposição MC

Acima, nas fotografias antigas, a configuração imaginária de uma face do quarteirão, a da 22 de Junho (Alcindo Cacela), compreendida entre a antiga Conceição (Fernando Guilhon) e São Miguel.
A marcação do Mercado da Cremação no Google não obedece à escala, mas a proporções estimadas.

MC - Penteado

A fotografia acima, retirada da página 303 do segundo volume de Belém — Estudo de Geografia Urbana  (1968) confirma o que disse Ruma sobre o recuo à feira livre que, em sua memória, passou aos fundos do prédio, projetando-se à 9 de Janeiro.

O Liberal 28-5-1947

O jornal O Liberal de 28 de maio de 1947, quase quinze anos após a inauguração do Mercado da Cremação, dá a dimensão da oferta diária de Carne Verde, Peixe e Vísceras nesse próprio da Prefeitura Municipal de Belém.

*RUMA — Rui Mário Cruz de Albuquerque.

Colaboração: Igor Pacheco.

Esse post foi publicado em Ambiente Urbano, Fotografia antiga, Memória, Patrimônio e marcado , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Mercado da Cremação (1933)

  1. Os prédios são muito parecidos, praticamente iguais.
    Não seria um prédio feito pelo Lemos e reaproveitado para mercado pelo Condurú?

    • fauitec disse:

      Essa hipótese é fácil de ser comprovada: o prédio, se construído na Intendência de Lemos, deve estar citado em um de seus detalhados relatórios.
      Todos eles estão publicados em Os Relatórios de Antonio Lemos.
      Confiou-se nos termos novo mercado e inaugurado que constam no periódico de 1933.
      Também considerou-se que no período da intendência de Lemos não havia demanda suficiente à construção de um mercado naquela área; muito menos outra edificação próxima ao Forno Crematório que não a da Sucursal dos Bombeiros Municipais.

  2. Joao Ribeiro disse:

    Saudades lembro muito da minha infância junto com meu pai fazendo as compras nesse mercado, lembro que onde é o complexo da cremação era um terreno onde os circos se apoiavam para apresentar seus espetáculos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s