A localização do Chafariz do Bispo

Diante do anúncio publicado em 1883 corre-se ao Ruas de Belém de Ernesto Cruz para encontrar: Dr. Moraes antes Poço do Bispo e Chafariz do Bispo; assim, acredita-se num erro informativo do jornal pela impossibilidade de perpendicularidade entre tais vias e abandona-se o caso.
Entretanto: O Liberal do Pará de 05SET1877 avisa que a travessa do Chafariz do Bispo denominar-se-ha d’ora em diante travessa do Doutor Moraes; ou seja: quase seis anos antes da nota de venda dos terrenos no periódico paraense a nomenclatura daquele lugar de Nazareth não mais se confundiria com a do Reducto — em 1881 já pertenciam ao mesmo 7º distrito postal do Correio Geral da Província sem crucificações.

Mas… vejamos Belém em planta do Atlas do Império do Brazil de 1868 ao entendimento  da localização de um dos mananciais da cidade: o Paul D’água, já que o Chafariz do Bispo nele se achava, no Largo dos Poços, que ficava na travessa da Piedade como afirma o mesmo O Liberal do Pará de 11OUT1884.

Na comparação dos mapas — o antigo do Império e o recente do Google — é possível assegurar que o Largo dos Poços era uma área de confluência entre as atuais ruas Aristides Lobo e Osvaldo Cruz, mais a travessa Piedade (seu endereço real comprovado).
Assim ilustraremos o dito com uma fotografia panorâmica de 1910:

Pelo apanhado dos dados depura-se que houve duas travessas (ou travessa e rua) Chafariz do Bispo; a primeira, que transformou-se em Doutor Moraes no ano de 1877, era um caminho primitivo ao Largo dos Poços usado pelos habitantes que se deslocavam do sudeste da cidade, pelos fundos do cemitério da Soledade, para ali abastecerem-se de água; já a segunda era uma referência (ao próprio equipamento Chafariz do Bispo) dada pela população à via descontínua à rua do Rosário que passou a se chamar Aristides Lobo em 1890 em homenagem a esse líder republicano.
Até hoje a Aristides Lobo é quebrada pela Piedade, tendo a desembocadura da Osvaldo Cruz anterior à retomada de seu rumo à Visconde de Souza Franco,  sendo insensato ao transeunte crer se tratar do mesmo logradouro; portanto: a rua (paralela à Baía do Guajará) ou simplesmente o Chafariz do Bispo foi o que conhecemos como Aristides Lobo em seu segmento entre a travessa Piedade e a Doca de Souza Franco.

Observamos que os terrenos postos a leilão em 1883 representam, grosso modo, a metade do Boulevard Shopping Belém; todavia, permaneceríamos na ignorância do fato sem a desambiguação do seu caminho sito no Chafariz do Bispo.

Colaboraram com esta publicação:
Aristóteles Guilliod de Miranda e Igor Pacheco.


Postscriptvm (07JUN2017):

Saiba sobre o avanço das investigações em  A localização do Chafariz do Bispo (2) — tais novidades deverão mudar a marcação do Largo dos Poços na fotografia interferida da matéria.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, História, Memória e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s