O fabuloso destino de Dmitri Kessel; por Oswaldo Coimbra

O poeta-dramaturgo Públio Terêncio Afro nasceu em Cartago, no norte da África e suportou a escravidão. Liberto por um senador romano do qual adotou o nome, Terêncio Lucano, tornou-se, depois, autor de comédias valorizadas por outros artistas, muitos séculos mais tarde, já na Renascença. Na Roma Antiga, Terêncio havia vivenciado situações, como escravo, que poderiam ter embotado sua sensibilidade. Mas ele a preservou, assim como sua capacidade de identificação com outras pessoas. E a manutenção destas características humanas permitiu-lhe usar sua vivência nas obras que criou para o Teatro e a Poesia. É dele, a frase-síntese do pensamento humanista, que atravessou dois milênios: “Eu sou um homem e nada do que é humano me é estranho”.
Uma epígrafe perfeita para o livro imaginário que reunisse todas as imagens produzidas para a revista Life Magazine por Dmitri Kessel, ao longo de 28 anos, em pontos diversos do planeta. Seus flagrantes mostram, por exemplo, a delicadeza da mulher que criou a profissão de Designer de Interior, Elsie de Wolfe, na escolha e na distribuição de móveis, tapetes e ornamentos de um quarto de hotel dos Estados Unidos, nos anos de 1950. Assim como mostram, com a mesma empatia, também nesta década, a perplexidade e o ódio mal contido de um grupo de mineiros grevistas da Bolívia. Todos com roupas cobertas de fuligem, postados em volta de Irineo Pimentel, como se formassem uma inútil cerca protetora já que, depois, o líder deles foi assassinado.
Num dos anos daquela década, 1957, Kessel mostrou, numa capa da Life Magazine, com criatividade e argúcia, a severidade dos olhares de três norte-americanos, afundados em material de pesquisa. Eram os cientistas encarregados de tirar os EUA do atraso que o lançamento do primeiro satélite artificial da Terra, o Sputinik 1, pelos soviéticos, havia colocado aquele país, na corrida espacial.
Neste mesmo ano, a capacidade perceptiva aguda e refinada de Kessel iria flagrar modos de olhar de outros três homens, distantes física e culturalmente daqueles norte-americanos. Ribeirinhos, que, instalados na cobertura de um barco, ancorado no porto do Ver-o-Peso, em Belém do Pará, apreciavam, curiosos e divertidos, a movimentação dos transeuntes na área do Mercado de Ferro, herança da Belle Époque amazônica.
Kessel faleceu em 1995. Mas outro artista, como ele, continuaria preservando a visão humanística de Terêncio nas Artes Visuais. Em 2001, o diretor francês Jean-Pierre Jeunet comoveu o público dos cinemas de todo o mundo com as imagens impregnadas da mesma sensibilidade estética de Kessel gravadas no seu filme “O fabuloso destino de Amélie Poulain”.

Fonte: Guarulhos WEB.


Mais sobre Dmitri Kessel no Blog da FAU.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Belém, Fotografia antiga, Memória e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s