Libertários (1976); por Lauro Escorel Filho

No início do século XX, muitos imigrantes (principalmente italianos, portugueses e espanhóis) chegam a São Paulo em busca de melhores condições de vida. Eles tentam se estabelecer no campo, mas os proprietários não vendem terras para eles. Eles são contratados para trabalhar na agricultura (café, algodão, etc.) em péssimas condições de trabalho e salários muito baixos. Eles se mudam para a cidade de São Paulo para trabalhar na indústria (Crespi, Votorantin, Matarazzo) e liderados por anarquistas, formam a classe trabalhadora no Brasil, organizando greves e lutando por melhores condições de trabalho e salários.
Em 1972, Lauro Escorel Filho iniciou as pesquisas para este documentário em um período muito difícil, quando o Brasil era governado pela ditadura militar. O resultado é um documentário magnífico, que explica a formação da classe trabalhadora no Brasil. Lauro Escorel Filho usa filmagens do filme privado de 1935 do fascista Conde Rodolfo Crespi chamado “Quinze anos de colonização italiana no Brasil”, feito para a Conde Crespi, mostrando seus pertences no Brasil, incluindo sua fábrica em São Paulo, e foi de fato uma propaganda fascista. “Libertários” mostra as reais condições dos trabalhadores da indústria do Conde Crespi. Nos dias atuais, é engraçado ver os créditos que começam com a bibliografia usada para a produção do documentário, certamente para evitar problemas com a censura brasileira na época.

Sinopse de Claudio Carvalho.

Sobre o Projeto Laboratório Virtual - FAU ITEC UFPA

Ações de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará - em atividade desde maio de 2010. Coordenação: Haroldo Baleixe.
Esta entrada foi publicada em Cidades, Cinema, Comportamento e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta