Categorias
Divulgação

Divulgação/convite à FAU

BOCA do AMAZONAS: Sociedade e cultura em Dalcídio Jurandir

(São Paulo: Edições SESC, 2020, 352 p.)

O livro, que estuda a obra do escritor paraense Dalcídio Jurandir (1909-1979),
mostra que o seu “Ciclo do Extremo Norte”, composto por dez romances (1941-1978),
apresenta uma visão exemplar da sociedade e cultura da Amazônia.
Nesse romance em série ou roman-fluvial acompanhamos o caminho de
formação de um jovem do interior da Amazônia, dos seus 10 aos seus 20 anos,
durante a década de 1920, marcada pelo declínio da economia da borracha, pela
estagnação e por tentativas de reestruturação. É também um romance social, com
elementos de estudos antropológicos de campo.
Inicialmente, a obra de D. Jurandir é situada no contexto da história política,
econômica, social e cultural da Amazônia. São descritos também o processo de criação
do ciclo romanesco e a sua recepção.
Nos capítulos principais, o leitor passa a conhecer, com base nos dez romances,
quatro cenários da vida cotidiana social e cultural da Amazônia:
— A ilha de Marajó (ambiente dos três romances iniciais), que representa uma
síntese do interior fluvial da Amazônia, habitado sobretudo por ribeirinhos e caboclos.
— A metrópole regional Belém, cuja topografia social é descrita no romance
Belém do Grão-Pará a partir de seus bairros centrais.
— A periferia de Belém, cenário de 5 dos 10 romances. Com base nessas obras
foram realizadas, entre 2009 e 2014, adaptações cênicas e montagens teatrais com um
grupo de professores e alunos de uma escola de ensino médio no bairro de Terra Firme.
Essa experiência é descrita detalhadamente e documentada com fotos.
— A vila de Gurupá, onde se passa o romance final, Ribanceira, é um retrato de
uma típica comunidade amazônica.
Na contribuição do ciclo romanesco de Dalcídio Jurandir para o
conhecimento da Amazônia destacamos três aspectos:
1) a descrição da cultura cotidiana dos que vivem na periferia da sociedade;
2) o engajamento por uma educação de qualidade para todos;
3) a importância dada às falas dos habitantes da Amazônia. O romancista
captou na boca do povo dizeres significativos, que são documentos da memória cultural
e do desejo dessas pessoas de se tornarem sujeitos da História.
Com tudo isso, o retrato exemplar da Amazônia apresentada no Ciclo do
Extremo Norte estimula também a reflexão sobre os problemas sociais e educacionais
de todo o Brasil.

(Release do livro.)

Categorias
Divulgação

Fórum Landi no 40º Circular – recorte do JL1 06JUN2022

Categorias
Divulgação

Divulgação

__________________________________

_________________

Fonte: site institucional da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo ITEC/UFPA.

Categorias
Divulgação Exposição

Divulgação/convite à FAU

Leia matéria sobre o evento no jornal Diário do Pará (29MAI2022).

Categorias
Divulgação

Beira do Rio: Aldrin Moura de Figuiredo

Continue a leitura no Jornal Beira do Rio.

Categorias
Divulgação

Divulgação/convite à FAU.

Em iniciativa inédita na cidade, o Museu de Arte da Unama – Galeria Graça Landeira retoma as atividades com uma mostra que reúne os acervos da própria UNAMA e do Museu da UFPA. Serão 58 artistas de diversas regiões do Brasil com pintura, desenho, fotografia, gravura, objeto, vídeo.
A equipe curatorial é coordenada pelos professores Jorge Eiró e Mariano Klautau Filho.
Imperdível!
Agende!

(Imagem: “Para onde quer que você vá”, Nina Matos, 2001. Acervo UNAMA)

Categorias
Divulgação

Divulgação

Entre travessias e atravessamentos – arquivo em pdf.

Fonte: URBANA – Urbanização e Natureza na Amazônia.

Categorias
Divulgação

Divulgação

DIVER(S)CIDADE – arquivo em pdf.

Fonte: URBANA – Urbanização e Natureza na Amazônia.

Categorias
Divulgação

Divulgação/convite à Fau

Categorias
Divulgação Lançamento de livro

Divulgação/convive à FAU

Categorias
Divulgação

Divulgação/convite à FAU

Categorias
Divulgação

Corpo e ideia (à memória de Flávio Nassar); por Mateus Nunes

Julian Schnabel, On the day Cy died (His right arm bent under his head as a pillow) [No dia em que Cy morreu (Seu braço direito curvado sob sua cabeça como um travesseiro)], 2011, gesso em lona militar, 487,7 x 561,3 cm.

Alguns dias foram necessários para que eu pudesse escrever algo. Esses dias não acalentaram o coração inflamado, mas preencheram a mente amortecida que se negava, de alguma forma, a processar o luto. De peito aberto e de uma vez só, sem revisões ou grandes intenções, teço algumas palavras que revolviam na minha garganta e no meu coração com a partida do professor Flávio Nassar no último dia 23. Não há pretensões de se fazer uma homenagem a alguém tão grande. Compartilho aqui apenas algumas coisas que fizemos – ou que planejamos fazer – juntos nas últimas semanas, para que sirva como conforto – provavelmente só a mim. Nesse caso, toda homenagem é insuficiente.

Ele era um homem de mil causas, e causas grandes. De forte temperamento e posições políticas bem cravadas, sempre me tratou com uma afabilidade sem igual e me adotou como um filho. Os méritos das conquistas pelo patrimônio histórico, pelos estudos landianos, pelas lutas sindicais e políticas vão reverberar durante muito tempo, além de serem melhores escritas por pessoas mais adequadas para isso. Escrevo aqui um suspiro saudoso de memória. Tive a sorte de, por algum tempo, ter o nome dele relacionado ao meu, como “o-orientando-do professor-Flávio-Nassar”. Isso me abriu portas que nunca imaginei serem abertas – no tempo em que morei em Lisboa, verbalizar esse conjunto de palavras era como estender um tapete vermelho – e me livrou de possíveis amizades complicadas.

Há algum tempo, sentia que estávamos em um clima de despedida, por mais que nenhum dos dois tivesse coragem de externar esse pensamento. Repassou-me, aos poucos, inúmeros projetos, como seminários sobre arte italiana, textos bíblicos e a escritura de introduções de livros sobre naturalistas e cineastas. Na minha última viagem a Belém, há algumas semanas, fizemos algo que sonhávamos há tempos. Depois de anos adiando a visita ao seu sítio no Marahú, finalmente fui, com meus pais e meu irmão. Fomos recebidos da melhor forma possível por ele, pela sua esposa Mirtes, pelo seu filho Paulo André e pela sua neta Flora – e, depois, da amiga Marina Ramos, também aluna dele. Era um dia especialmente quente e fui de camisa preta – e ele só parou de reclamar quando eu fui ao banheiro trocar por uma camiseta dele que me entregou, que ia até os meus joelhos. Esse é um bom exemplo do cuidado e da teimosia característicos dele.

Enquanto os tambaquis eram assados pelo Paulo André, ele nos guiou pelos lindíssimos jardins que ele projetou e construiu, narrando como tinha conseguido tal e tal espécie. Andava com um bastão de trilha para se apoiar, que frequentemente esquecia apoiado em alguma árvore ao se empolgar em alguma explicação e gritava meu nome para buscar. Depois do almoço, pediu mil desculpas porque teve de se recolher, pois precisava repousar. O corpo já pedia atenção. Deu, durante a trilha nos jardins, uma dúzia de mudas de plantas para a minha mãe, principalmente de orquídeas. Para mim, a cena era inexplicável: ver dois mundos tão próximos ao meu coração interagindo, como num almoço de família no sítio. Alguns dias depois que ele partiu, minha mãe me mandou uma foto das orquídeas por ele presenteadas florindo como nunca tínhamos visto antes.

Nas nossas últimas conversas, falávamos mais de literatura do que de arquitetura ou arte, assuntos que nos uniam profundamente. Ele estava devorando os livros de José Saramago, e trocávamos ideia sobre um ou outro que eu já havia lido. Ele estava completamente fascinado, surpreso por não ter embarcado nessa jornada antes, mas grato de tê-la feito só naquele momento. Nessas últimas semanas, ele me ligou de madrugada, profundamente incomodado com as traduções para o português do poema “She walks in beauty”, do Lord Byron. Ficamos a madrugada toda pensando em possíveis traduções, e de como encaixar o conceito de “flutuar” como uma possível leitura warburguiana nessa tradução. Abri tabelas, estudamos as métricas, e chegamos em um resultado satisfatório, mas longe de ser perfeito. Mas isso já fez com que tanto ele quanto eu pudéssemos dormir em paz naquele dia que já havia raiado. Isso é só um dos exemplos das fixações dele que também me encantavam – os episódios são inesgotáveis, e me presentearam com lindas histórias pra contar –, como a interpretação de alguns textos do Evangelho, alguns desenhos de animais e a história de alguns santos. A atenção e o cuidado se transpunham pra tudo que eu escrevia, que ele lia com a maior atenção, fazendo anotações e me indagando sempre sobre a escolha das palavras. Sempre me lembrava que as regras são meras tendências, não verdades; e que as fronteiras entre as coisas são reais na proporção em que nossas imaginações são pequenas. Isso não escusava, entretanto, da rigidez paternal em sempre me fazer começar pelas regras.

No nosso último encontro, pude entregar-lhe a tese de doutorado que escrevi, mas que é muito mais mérito dele do que meu. Quando a entreguei impressa em suas mãos, ele ficou muito orgulhoso de ver que a tese era dedicada a ele, além de contar com um longo agradecimento. E assim permanecerá, com os agradecimentos no presente, sem “in memoriam” ou algo do tipo. A defesa é daqui a algumas semanas e também será dedicada a ele. Aplicarei o muito que aprendi da forma que puder, até mesmo nas pequenas coisas que fizer.

Telefonou-me quando precisou vir a São Paulo, cidade onde hoje moro, por motivos de saúde. Dizia que estava mal e que os médicos não sabiam o que havia agravado. Continuávamos conversando por telefone e mensagens, e ele me mandava longos áudios com a voz grogue sobre São Jerônimo – meu padroeiro. Depois de alguns dias, o contato se fazia apenas com a Mirtes, sua esposa, de coração gigante e forças desmedidas. Ela me ligava e me atualizava sobre o cenário clínico, que infelizmente só piorava. Seus filhos e familiares vieram para São Paulo, para visitá-lo, e, pelas restrições do hospital e da UTI, não pude vê-lo – manterei a imagem dele vivo, vivo, muito vivo, como minha última memória física com ele. Na tarde do dia 22, recebi a ligação da Mirtes de que provavelmente aconteceria nas próximas horas. No dia seguinte, como um suspiro, ele se foi.

“Corpo opaco”, seu último livro publicado e o primeiro de poesias, revolvia sobre a ideia da imanência do corpo, da materialidade das coisas. Porém, assim como outros grandes, ele já não era um corpo, mas é uma ideia. Ideias não morrem. Que celebremos a felicidade com que ele sempre nos contagiou, mesmo nos dias difíceis, em sua honra. Sigamos em frente, à luta, com a coragem que ele nos ensinou.

Categorias
Animação Artes Gráficas Artes Plásticas Divulgação

Representação e Expressão I – audiovisual das turmas de 2021

Categorias
Divulgação Pintura

ULYSSES 100 – pintura artística em muros de universidades

Categorias
Divulgação

Divulgação

Categorias
Artes Plásticas Divulgação

Divulgação/convite à FAU

Categorias
Artes Plásticas Divulgação

Divulgação/convite à FAU

Categorias
Divulgação Palestras Projeto

Bougainville: projeto de urbanização

A palestra do professor Jô Bassalo será transmitida pelo Meet às 09:30h como atividade da disciplina Projeto VII ministrada pela professora Rachel Sfair
Categorias
Divulgação Falecimento

Heitor dos Santos Watrin Júnior – nota de pesar

Categorias
Artes Plásticas Divulgação

Divulgação: live dos 100 anos de Mário Antônio Barata

Mário Antônio Barata