Categorias
Reprodução de jornais antigos

A festejada AVENIDA EXPRESSA de 1960

dfgtr

O croqui publicado no jornal de 1960 superposto ao mapa advindo de ortofoto atual de satélite apresenta coincidência em quase nenhuma das vias transversais, considerando-se a Assis de Vasconcelos e a Duque de Caxias como extremos da representação e direção; entretanto,  pelas informações do texto, sabe-se do caminho traçado que hoje segue no sentido oeste [ou sudoeste (?)], em quase arco, do Baenão à Praça da República.
Percorrê-lo em 10 minutos seria perfeito ― se fosse possível no caótico engarrafamento do presente.

Colaboração: Aristóteles Guilliod de Miranda.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo História Reprodução de jornais antigos

O CLIPPER de Nazaré

Projeto-construção CN

Projeto do CLIPPER de Nazaré publicado em A Província do Pará no ano de 1949 e a fotografia do mesmo edifício erigido (e em uso) componente da matéria MEMÓRIA O Velho Largo de Nazaré de Carlos Rocque publicada no caderno Cultura de A Província do Pará em 1997.

Recorte Carlos - Caderno de Cultura_A Provincia13.04.1997-p.6 Rcque

nmnmRecorte e matéria completa, ampliáveis por clique à leitura, intitulada MEMÓRIA O Velho Largo de Nazaré, escrita por Carlos Rocque no caderno Cultura de A Província do Pará em 1997.

corel021

Jornal de julho de 1951

Requerimento do deputado estadual João Menezes datado de 19 de junho de 1951 publicado em O Liberal do mês seguinte, ampliável à leitura por clique; acima: um recorte do texto que fala sobre a “promessa de destruição” do CLIPPER de Nazaré na campanha política de Zacarias de Assumpção, vencedor das eleições de 1950 para governador do Pará, em confronto com Magalhães Barata.

O material acima é um conjunto indicativo à pesquisa da datação do CLIPPER de Nazaré, tendo como ponto de partida a publicação de seu projeto: em maio de 1949.
O discurso do deputado João Menezes mostra que DESTRUIR o CLIPPER de Nazaré era uma bandeira de campanha de Zacarias de Assumpção contra Magalhães Barata que não passaria de “promessa”;  tal questionamento não esperou que Zacarias completasse quatro meses como governador do Estado pela Coligação Democrática Paraense.
A mesma página do jornal do PSD faz acusações ao prefeito de Belém à época (julho de 1951): Lopo Alvares de Castro.
Então, o CLIPPER de Nazaré já estava construído no ano de 1950, o que corrobora, de certo modo, com o que diz Carlos Rocque: “… no final dos anos 4o a moda em Belém era a Prefeitura autorizar a construção de ‘cliper’… “, contudo, quando afirma que “… o Prefeito era Alberto Engelhard… “, equivoca-se, pois Engelhard, naquele momento subjetivo, poderia estar como governador do Estado (de julho de 1950 a janeiro de 1951) e não prefeito; mas isto não invalida a ideia de que o CLIPPER de Nazaré tenha sido obra de Engelhard, nem que pelas “mãos” de correligionários influentes.
Apesar do CLIPPER Nº1 ser da gestão de Abelardo Condurú na Prefeitura (1936/43), foi Alberto Engelhard o disseminador desse equipamento urbano quando prefeito de Belém, entre 1943 e 1945; em 1947, em rápido retorno à PMB; e, pelo visto na convicção de Rocque, também entre 1950/51, como governador do Pará.
Tudo isso se esclareceria com a notícia da inauguração do CLIPPER de Nazaré em jornal ou revista datados.

O texto tem colaboração informativa da bibliotecária
Regina Vitória da Fonseca e da professora Celma Chaves Pont Vidal.


Postscriptvm (em 01 de agosto de 2014):
Há incongruências entre informações documentadas, verifiquem postagens mais antigas sobre o CLIPPER de Nazaré no BF:
07 de fevereiro de 1965: (CLIPPER) VAI DESAPARECER
1966: autoridades demolem CLIPPER em ritual bizarro


Postscriptvm² (o1/11/2014):
Acompanhe a evolução da pesquisa pelo SUMÁRIO que dá acesso às postagens sobre CLIPPERS até 24/10/2014.
Algumas informação contidas nesta postagem podem ter caído por terra em consequência da aparição de novos registros documentais.
Não fazemos nenhuma reparação nos textos originais, apenas colocamos esta nota ao final das publicações cobertas pelo período do resumo.
Aprendamos com os nossos erros.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo História Reprodução de jornais antigos

O Pará em fóco – reportagem fotográfica do FON-FON! em 07/09/1912

O Pará em foco_07-09-1912-ed.0036-p.37

O Pará em foco_07-09-1912-ed.0036-p.38

O Pará em foco_07-09-1912-ed.0036-p.39

O Pará em foco_07-09-1912-ed.0036-p.40

O Pará em foco_07-09-1912-ed.0036-p.41 
Postagem com colaboração da bibliotecária Regina Vitória da Fonseca.
Fonte: BN ‒ jornal FON-FON!, edição Nº0036, de 07/09/1912.

Ler:  Jonalismo, História: Belém nos relatos do Jornal “O Estado do Pará” de agosto de 1912.

Categorias
Arte Decorativa Aplicada História Reprodução de jornais antigos

A inauguração do Manoel Pinto da Silva

Ed. Manuel Pinto da Silva_OLiberal-26.12.1951.p.3
Clique sobre a imagem para ampliá-la.

A inauguração do Manoel Pinto da Silva (PDF).

Fonte: Hemeroteca Digital Brasileira (FBN).

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Reprodução de jornais antigos

O Liberal de 29 de outubro de 1989

Belém Shopping

Imagem ampliável à leitura.

 BelemShopping (em PDF).

Garimpagem virtual de Igor Pacheco.

Postscriptvm:

amama2
Se bem que em 1989 não existia o Google Earth e a geografia do lugar era distinta.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Artes Plásticas Reprodução de jornais antigos

O Liberal de 30 de setembro de 1989

HB-recorte
Garimpagem virtual de Igor Pacheco.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Documentos Históricos Reprodução de jornais antigos

BRAZILIAN AMERICAN, DECEMBER 9, 1939

corel610

 

Ver este documento no Scribd

Fonte: UFPA 2.0.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Documentos Históricos Reprodução de jornais antigos

O ESTADO DO PARÁ ─ Domingo, 4 de outubro de 1942

EP04

EP03Imagens ampliáveis à leitura.

Fonte: Biblioteca Pública Arthur Vianna, Seção de Obras do Pará.
Colaboração: Bibliotecária Regina Vitória Fonseca.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Reprodução de jornais antigos

Também há 15 anos: os editores do BF em matéria da Troppo

Troppo
Fonte: revista Troppo, do jornal O Liberal, de 22 de fevereiro de 1998; título da matéria: Olha a chuva aí, gente!!!
Texto de Dênio Maués com fotos de Alberto Bitar.
A reportagem será digitalizada como link do título em itálico.

O Windows do JB era o revolucionário 95:

Windows_95