Manoel Leite Carneiro: O Professor; por José Maria Filardo Bassalo

shot013_thumb[2]Parece que o grande filósofo holandês Baruch Spinoza, que viveu no Século 17, seria o autor da seguinte frase: VIVER É PERDER AMIGOS. Essa frase, pelo menos para mim, tem sido um axioma, pois a tenho vivenciado durante os quase 79 anos de vida (nasci em 1935). Porém, dos amigos que perdi durante esse tempo de vida, a morte de um deles marcou-me (no dia de hoje: 26 de maio de 2014), de maneira especial. Trata-se de Manoel Leite Carneiro, dois anos mais velho que eu, a quem devo o início de minha carreira de professor de Física, ao indicar-me para professor dessa disciplina, no lendário Colégio Estadual “Paes de Carvalho”(CEPC), em 1955, e para o então Núcleo de Física e Matemática (NFM), da então Universidade do Pará, em 1961. Eu o conheci, em 1954, quando ensinava Matemática no ex-Colégio “Abraham Levy”. Desde aí, nossa amizade tornou-se uma irmandade.

Manoel “Fogueteiro” como eu o chamava (pois vivia sempre “soltando foguete” em busca de um ensino de melhor qualidade, quer público, quer privado), tinha um talento ímpar para a Matemática, talento esse que se manifestou quando o saudoso professor Ruy da Silveira Britto, em 1962, nos ministrou um Curso de Espaços Vetoriais Finito-Dimensionais, tendo como livro-texto o escrito pelo matemático Paul R. Halmos, em 1958. Depois de uma das aulas desse Curso, o Ruy Britto me chamou e disse-me: – Bassalo, não se zangue comigo, mas o Manoel Leite é a melhor cabeça de vocês cinco (Manoel Leite, Manoel Viégas Campbell Moutinho, eu e os saudosos Rui dos Santos Barbosa e Leão Samuel Benchimol).

Além de ser um Professor nato (ele praticamente morreu em uma sala de aula, pois ministrou aulas até alguns dias antes de sua morte em seu querido Colégio Ideal) estava sempre em busca de jovens talentos, incentivando-os a estudar cada vez mais e, para aqueles que não tinham posses, ele arranjava bolsas de estudo. Aliás, essa foi a característica de sua vida: ajudar os outros, no que podia e mesmo no que não podia realizar diretamente. Eu sou testemunha disso, pelas várias bolsas que me arranjou.

Depois de mais de sessenta anos de Ensino, Manoel Leite começou a escrever um livro de sua disciplina preferida: Álgebra Linear. Com a ajuda de seu filho Manoel Leite Carneiro Júnior, ele começara a escrever o texto usando um “tablet”. Quase no leito de morte, Manoel repetiu o que o grande astrônomo polonês Nicolau Copérnico fez: corrigiu as provas de seu famoso livro: Das Revoluções dos Corpos Celestes, publicado dias depois de sua morte em 1543. O “Tio Patinhas” (outro apelido que seus amigos deram a ele, porque ele gostava sempre de ganhar no tradicional jogo de dominó no NFM), dias antes de morrer estava com o “tablet” aprendendo a operar com matrizes.

Por fim, é oportuno destacar que meu agora saudoso amigo Manoel teve todo o carinho de sua família, principalmente de sua filha médica Francisca Regina Oliveira Carneiro, bem como de todos os seus amigos, inclusive de os médicos (em especial: Ana Virgínia Van den Berg, Flávio Porpino, Nazaré Martins, Murilo Azevedo e Salomão Kawhage) e enfermeiros/as que o atenderam.

Nota: Publicado em Diário do Pará, 27/05/2014

Fonte: Bassalo.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Memória, Reprodução de artigos e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s