Categorias
Arquitetura e Urbanismo Fotografia Fotografia antiga

CLIPPER Nº1: qualquer semelhança é mera aparência

sdftr


Postscriptvm (o1/11/2014):
Acompanhe a evolução da pesquisa pelo SUMÁRIO que dá acesso às postagens sobre CLIPPERS até 24/10/2014.
Algumas informação contidas nesta postagem podem ter caído por terra em consequência da aparição de novos registros documentais.
Não fazemos nenhuma reparação nos textos originais, apenas colocamos esta nota ao final das publicações cobertas pelo período do resumo.
Aprendamos com os nossos erros.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Fotografia Fotografia antiga História

Por quê o Clipper Nº1 deve ser da década de 1930?

pr
Há uma certa teimosia, o que obviamente não é acadêmico, em afirmar que o Clipper da foto, o revelado nº1, deve ter sido construído entre 1936 e, no máximo, 1939 − as fotos de Robet Platt já descartaram 1935.
Ainda não encontramos documentos oficiais, nem publicações de jornais ou revistas de época que comprovem o aqui dito e redito  em especulações desse tempo da amnésica Cidade enviuvada da borracha − acreditávamos achar algo relevante no relatório do interventor federal José Carneiro da Gama Malcher (1935/1943), mas lá nada há sobre o assunto; muito menos sabe-se, nas bibliotecas públicas, dos feitos do  professor Abelardo Condurú  (1936/1943) na Prefeitura.
Mas o raciocínio é simples, se observarmos a fotografia: dois bondes* se destacam, um a passar pelo Clipper e outro parado no Fidalgo Telheiro; nenhum ônibus (ou automóvel) transita pelas cercanias, o que nos faz supor (se não é domingo, feriado ou cedo) que a Parah Electric Railways and Lighting Company Ltd. ainda não tinha adquirido, por meio de sua subsidiária Companhia Paraense de Viação Geral Ltda, os 7 ônibus que fariam frente ao seu costumeiro sistema de transporte urbano a partir de outubro de 1937.
No entanto, se já os possuía − até então sinal de saúde financeira para investimento em modernização −, esses poderiam, em estratégia de cobertura à demanda, manter itinerários distintos aos traçados para os seus bondes.
A informação, com a qual trabalhamos, está à página 154 da tese de doutoramento de Chélen Fisher de Lemos, defendida e aprovada em 2007 no IPPUR/UFRJ:

vb444444


Lembremo-nos que a Parah Electric Railways and Lighting Company Ltd., em 1933, possuía 120 km de extensão em linhas de bonde e 100 carros em serviço.
Parte da redução da extensão em 1939 pode ser consequência do uso dos 7 ônibus, de maior mobilidade e número de passageiros.

*Dois bondes  em uma fotografia não denotariam a decadência ou falência da Pará Electric, se considerada a dimensão da malha viária desenhada em Belém (menos ainda se fosse domingo, feriado, ou cedo):

Mapa bondes

Fonte do mapa: Biblioteca da CODEM.


Postcryptvm (em 24-05-2014):
O horizonte da imagem do CLIPPER é limpo, sem edificações modernas altas, só se vê o observatório no topo do reservatório Paes de Carvalho; o prédio do Armazém Âncora, correspondente a 5 pisos, da Importadora de Ferragens, ainda não fora construído.
Só nos resta a data dessa edificação e, quem sabe, a autoria de seu projeto; afinal, é uma obra emblemática da história arquitetônica de Belém, já que provocou uma nomenclatura sui-generis às PARADAS de ônibus na capital, em seus distritos e nos municípios do interior do Estado do Pará.


Postscriptvm² (o1/11/2014):
Acompanhe a evolução da pesquisa pelo SUMÁRIO que dá acesso às postagens sobre CLIPPERS até 24/10/2014.
Algumas informação contidas nesta postagem podem ter caído por terra em consequência da aparição de novos registros documentais.
Não fazemos nenhuma reparação nos textos originais, apenas colocamos esta nota ao final das publicações cobertas pelo período do resumo.
Aprendamos com os nossos erros.

Categorias
Arquitetura e Urbanismo Fotografia Fotografia antiga Reprodução de artigos Reprodução de documentos antigos

Em 1972 o Clipper Nº1 ainda estava de pé

TCG
Material enviado por Igor Pacheco.


A imagem mostra justamente a parte NOVA do Clipper nº1  obtida pelo rebatimento da forma original à imprescindível ampliação do abrigo que serviria aos surgentes passageiros de ônibus do início da década de 1940 com a progressiva ruína dos bondes.
Acreditamos que essa ampliação, para efeito político, foi tratada como CONSTRUÇÃO “… de um abrigo na Avenida Portugal, em frente à Praça do Relógio…” no relatório de Albert Engelhard, prefeito de Belém entre 1943 e 1945.
Há outra foto − já publicada no BF, sem datação precisa, mas que sugere a virada da década de 1960 para 1970 −, que mostra um conjunto de três clippers ao redor da Praça do Relógio, junto ao velho telheiro de bondes (com ponta visível no canto superior direito) que jamais perdeu sua fidalguia:

ver-o-peso


Postscriptvm (o1/11/2014):
Acompanhe a evolução da pesquisa pelo SUMÁRIO que dá acesso às postagens sobre CLIPPERS até 24/10/2014.
Algumas informação contidas nesta postagem podem ter caído por terra em consequência da aparição de novos registros documentais.
Não fazemos nenhuma reparação nos textos originais, apenas colocamos esta nota ao final das publicações cobertas pelo período do resumo.
Aprendamos com os nossos erros.