Clippers – Theodoro Braga confirma suposições do BF

O pesquisador José Maria de Castro Abreu Júnior, que está em São Paulo coletando material sobre o médico Camilo Salgado, enviou-nos fotografias de recortes de jornais contidos no acervo de Theodoro Braga pertencente ao Arquivo Público do Estado de São Paulo.
Theodoro Braga guardou informações que nos são preciosas à comprovação da tese de que o primeiro CLIPPER, chamado de nº1 quando outros surgiram, fora erigido ainda na década de 1930 – a datação, à caneta, é “17/2/939”.
A notícia, veiculada pela Folha do Norte, diz que o CLIPPER defronte à praça Siqueira Campos (do Relógio) já estava em construção em 17 de fevereiro de 1939.

Clippers01

O desenho que ilustra a matéria é do segundo CLIPPER que Abelardo Condurú “… resolveu autorizar a construção …” na “… boulevard Castilhos França, na junção da referida via pública com a avenida 15 de Agosto*, por ser um dos pontos movimentados da Cidade…” – esse CLIPPER, o de Nº2, é uma novidade; dele não tínhamos conhecimento, sabíamos da existência de outro, no mesmo bulevar, defronte ao antigo Galpão Mosqueiro-Soure que pode ser visto na postagem CLIPPER da Castilhos França em 1965 e melhor entendido em Alberto Engelhard e a multiplicação dos CLIPPERS.
A publicação confirma também que os dois primeiros CLIPPERS serviriam tanto aos passageiros de bondes quando de ônibus.

Clipper02

Outra nota da Folha do Norte mostra que em 22 de junho: “… o novo abrigo, marca ‘clipper’, edificado e ainda não inaugurado …”, apresentava acúmulo de água na laje, o que seria a “origem” do aparecimento de carapanãs na redondeza.
O texto descarta a possibilidade de um apelido popular, uma vez que a palavra Clipper é definida, antes da inauguração do primeiro, como “marca” – por ora não entendemos o porquê, a não ser que funcione como sinônimo de “4. Categoria, qualidade, espécie, tipo… ” (Aurélio); neste caso, algo proposto pela Prefeitura de Belém ou construtores, junto a um projeto referenciado nos hidroaviões clippers, o que evidenciaria a consciente utilização do Streamline Modernedesign tipicamente estadunidense, na arquitetura belenense.

No material enviado pelo professor José Maria de Castro Abreu Júnior vê-se que o pintor paraense Theodoro Braga possuía interesse pelos CLIPPERS, fossem eles os voadores (hidroaviões) ou os terrenos (abrigos) que tentavam imitá-los; senão vejamos outros dois recortes, também da Folha, esses ainda mais antigos, de agosto de 1934 (dias 18 e 28):

Clipper04

Clipper03

Brasilian Clipper: “… o novo gigante dos ares da Pan American Airways System …”, um Sikorsky S-42, “… em viagem inaugural e de turismo… ” guardado por Theodoro Braga.
Arquivar notas dessa natureza seria demonstração do orgulho paraense (belenense) diante da modernidade da aviação comercial iniciada no governo de Eurico de Freitas Valle.

A Folha do Norte parece cobrir a viagem noticiada por A NOITE do dia 10 de agosto de 1934:

BC

Ampliável à leitura.

Veja o Brazilian Clipper (Sikorsky S-42 com aircraft registration NC-822M) em viagem semelhante registrada em 1937 com escala em Belém do Pará (entre os pontos 22:00 e 23:00 do filme) – curiosamente há o desdobramento ao voo Belém-Manaus-Belém em outro hidroavião (que também aterrissava), o Fairchild Model 91, chamado de “Baby Clipper“, com capacidade para 8 passageiros, o qual acreditamos ser a inspiração  à construção streamline do CLIPPER (abrigo) Nº1 – seguindo (no Brasilian Clipper) a rota litorânea brasileira ao seu destino: Buenos Aires.
Não esqueçamos que a película propagandeia o turismo na América do Sul explorado pela PANAIR e os voos regulares entre Belém e Manaus eram a bordo do Baby Clipper.

*15 de Agosto é a hoje Presidente Vargas.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, História, Reprodução de artigos e marcado , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Clippers – Theodoro Braga confirma suposições do BF

  1. Excelente matéria, amigo Baleixe. Continue nos presenteando com esses trabalhos educativos. Parabéns. Celia.

  2. Meu mestre da velha FEP, Haroldo Baleixe, arrebentando nas pesquisas mais inusitadas e curiosas com todo o ineditismo que lhe é peculiar.
    Só acho, meu querido professor, que os CLIPPERS já merecem um artigo-resumo contendo essa bateria de informações riquíssimas à história e à arquitetura paraenses.
    Abraço,
    Zé Luiz

  3. A notícia dá duas informações interessantes: seria construído um clipper na junção da Pres. Vargas com o Blv. Castilhos França, pelas fotos que se tem do período, 1930-1940, não há indicativo (até o momento) que ele tivesse sido erguido. O modelo apresentado para a construção desse abrigo é totalmente diferente do Clipper nº 1; entretanto, este teria uma utilidade aproveitada no abrigo construído na praça Justo Chermont, uma terrace para autoridades assistirem desfiles.

  4. Andre Roberto Speck disse:

    quem estiver pesquisando sobre Theodoro Braga, me contatem, tenho vasto material do acervo particular de Theodoro e Maria Braga. Coleção particular. andre speck twitter @andrerspeck

    • Eurídice Leão disse:

      Prezado Andre,
      Sou alagoana e arquiteta, apreciadora de arte em geral.
      Cheguei ao seu nome através de pesquisas feitas na internet.
      Tenho especial interesse particular em conhecer mais sobre a vida, o acervo e obras do artista paraense Theodoro Braga.
      Gostaria de entrar em contato para trocarmos informações.
      Agradecida desde já,

      Eurídice Leão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s