A fotografia invertida da maquete da Cidade Universitária (UFPA) publicada em 1966

Na postagem anterior, bem como em outra ocasião, publicamos a fotografia de uma maquete do Núcleo Pioneiro da UFPA veiculada em 1966 no impresso de ideologia favorável à Ditadura Militar intitulado Amazônia é Brasil – Comemoração do primeiro centenário da abertura dos portos da amazônia. Vitória Régia Editora, Brasília. Organizador Aldebaro Klautau:

ufpa-maquete (1)

Na comparação desta com uma fotografia da virada dos anos 1960/70, que mostra a situação real da construção do Núcleo Pioneiro da Cidade Universitária (UFPA), vê-se que a fotografia da Amazônia é Brasil está invertida (espelhada), apontando, em correção, à seguinte lógica perceptiva:

YYY

Abaixo os argumentos a essa hipótese, mesmo que na maquete se tenha o vazio de dois blocos na segunda fileira e a ausência do quadrante executado para estacionamento:

ZZZ

1: descontinuidade nas coberturas dos dois últimos blocos; 2: os quatro blocos frontais construídos mostrando parte de uma praça com estacionamento; e, 3: o quadrante próximo ao rio Guamá com estacionamento, onde se erigiu, mas não há na maquete, o Bloco A, que hospedou o curso de Arquitetura no início da década de 1970.
Observar que o Bloco A é o mais próximo à rodagem e de franca vista ao rio tal qual o é o Ateliê de Arquitetura e Urbanismo (coincidência?).

Sobre Projeto Laboratório Virtual - FAU ITEC UFPA

Ações integradas de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará - em atividade desde maio de 2010. Prêmio Prática Inovadora em Gestão Universitária da UFPA em 2012. Coordenação: professor Haroldo Baleixe.
Esta entrada foi publicada em História da Arquitetura e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas para A fotografia invertida da maquete da Cidade Universitária (UFPA) publicada em 1966

  1. Paulo Andrade disse:

    Conclui meu curso de arquitetura em dezembro de 1971 e lembro que o nosso bloco era o último no sentido de quem entrava pelo portal da Estrada Nova. Ficávamos com os janelões abertos para o lado do rio. Costumávamos colocar as pranchetas na grama por causa do calor. Depois a FAU saiu de lá já com outra turma.

  2. alinecosta disse:

    Fantástica esta descoberta, principalmente agora, quando se quer dar novos destinos a esses blocos.
    Por que o Bloco A não aparece na maquete?

Deixe uma resposta