O Farol de Salinópolis é o antigo Farol de Apehu

foto-01-bbt

Na base de concreto do Farol de Salinópolis, por dentro da mureta que o protege, existe uma placa de identificação datada de 1937, ano de sua montagem naquele local; aparafusada sobre ela está a original de 1893 que veio no equipamento de sinalização marítima encomendado à fábrica F. Barbier et Cie., situada no número 82 da rue Curial em Paris:

correcaoO farol que desde 1937 está em Salinópolis compôs um pedido de 10 faróis feito em 1891 pela Marinha Brasileira ao engenheiro francês Fréderic Barbier; desses, de acordo com a Revista Marítima Brasileira, três foram especificados à construção com colunnas tubulares sobre esteios de rosca, systema Mitchell: Belmonte (BA), Rio Doce (ES) e Salinas (PA) – discriminado à Ponta do Atalaia onde já existia um farol sobre torre de alvenaria ameaçada de solapar pela invasão do mar.
O sistema construtivo denominado Mitchell fora inventado pelo engenheiro irlandês Alexander Mitchell para erigir arcabouços metálicos em terrenos instáveis; a firma F. Barbier et Cie. o utilizava quando demandada a desenvolver faróis completos, inclusive com habitação de faroleiros na própria estrutura:

farois

Acima se vê dois faróis, anteriores à citada encomenda da Marinha em 1891, que já utilizavam o Sistema Mitchell; no período de confecção desses faróis pré-moldados ainda era sócio de Fréderic Barbier o senhor Stanislas Tranquille Fenestre, morto em 1887 – Fréderic e Stanislas desde 1860 mantinham uma parceria produtiva que gerou a Barbier et Fenestre em 1862.
Note-se na foto mais antiga, a do Farol de Aracaju, a existência de habitação aos faroleiros (o equipamento de São Tomé também possuiu a sua), à semelhança do que se via no de Salinópolis nos anos 1940 (pintura de E. Bastos cedida por Paulo Andrade) e 50 (fotografia que circula pela Internet):

gfd

Descrição do farol original como contratado com a F. Barbier et Cie. para Salinas em 1891:

corel840

Condições atuais dos três faróis encomendados à fábrica F. Barbier et Cie. (à época não era nominada Barbier & Bénard Constructeurs como diz a Revista Marítima Brasileira):

ghgfd

O Farol do Rio Doce perdeu sua torre metálica sobrando apenas a cápsula faroleira depositada no solo.


E o Farol de Salinas foi à Ilha de Apehu:

Dissemos que o Farol de Salinas fora encomendado em 1891 para substituir um farol velho [localizado onde hoje está parte de sua muralha na praia do Farol Velho, na Ilha (ou Ponta) do Atalaia]; contudo, a torre de alvenaria desse farol velho, que ameaçava ruir pelo choque e varredura das marés altas em suas fundações, teve um reparo de baixo custo que deu solução aparentemente definitiva ao problema (o farol novo chegou em 1893 e só foi decidida sua montagem em 1901 noutro lugar); deste modo se vê a perda da serventia de um equipamento náutico que veio para ser instalado em Salinas em substituição ao velho (de 1852) que por oito anos de observação acurada diagnosticou-se firme.
O Diário Oficial da União, de 25AGO1909, revela o pagamento reclamado por Frederico Carlos Pusinelli, pela armazenagem de 412 volumes contendo as peças do pharol de Salinas, que estiveram no Trapiche S. João, naquele Estado (do Pará), desde janeiro de 1894 até setembro de 1901.
Estando a navegação em ritmo acelerado nesta parte do território brasileiro, armou-se, em setembro de 1902, o farol de fabricação francesa na Ilha de Apehu:

ia

Seguem as buscas sobre a permanência do Farol de Salinas na Ilha de Apehu que vai de 1902 à sua desmontagem (1936?) para ser reerguido em Salinópolis no ano de 1937; bem como a dinâmica desse exercício mecânico nas águas do Atlântico.
A localização atual do Farol de Salinas na Ilha de Apehu pontua sua imersão no oceano; o que é uma boa pista, se associada às profecias do Careta de 01OUT1932.


Curiosidades:

O construtor do Farol de Salinas, Fréderic Barbier, associou-se ao genro Joseph Bénard em 1894 e a firma passou a se chamar Barbier & Bénard Constructeurs:

corel838

bbt2008-003-2

Em 1897 Paul Turenne ingressou na empresa casando-se em 1901 com outra filha de Barbier quando surge a Barbier, Bénard & Turenne (a BBT) que em 1918 transforma-se em Société Anonyme des Anciens Etablissements Barbier, Bénard et Turenne (uma S. A.):

pic1

brass_lantern_barbier_benard__turenne_paris_france_fresnel_lens_lg

pharemamelles5

Propaganda de 1937, ano da inauguração da remontagem do Farol de Salinas em Salinópolis, vindo da Ilha de Apehu, superfície hoje circunscrita no município de Viseu; nela se vê a marca francesa BBT associada à Krauss que comprara da alemã Leica em 1934 para formar a subsidiária BBT Krauss especializada em microscópios e binóculos:

bbt-klauss-1937

bm
Haveria necessidade de uma publicação independente para falar das múltiplas atividades fabris da BBT que como CIT ALCATEL foi incorporada à GISMAN (que permanece produzindo faróis, dentre outros equipamentos marítimos); sugerimos, apenas, uma busca no site ebay por BBT Krauss para ver o resultado.


Referências, além dos hiperlinks, e créditos:

A compra dos farois em 1891  –   recortes da Revista Marítima Brasileira do ano de 1902. 
Pharol das Salinas e do Gurupy – recortes da Revista Marítima Brasileira do ano de 1902. 
United States – Lighthouse Society  
Fotografias do topo da matéria: Farol de Salinópolis de Fernando Pinhati e Placa do Farol de Salinópolis de Antonio Alves.
As demais imagens foram retiradas da Internet, dos sites que divulgam turisticamente os faróis da costa brasileira, e, do ebay.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, História e marcado , , . Guardar link permanente.

7 respostas para O Farol de Salinópolis é o antigo Farol de Apehu

  1. Bom dia, excelente sua pesquisa Haroldo, quanto ao Farol de Salinópolis pedi o tombamento dele a Secult e que resultou em tombamento então pelo Estado, isso impediu que o edifício construído em pequena rua atras do farol fosse construído com mais pavimentos que o previsto pelo seu proprietário. Abraço, Euler Santos Arruda.

  2. Raoni Santos disse:

    E eu que pensava que esse farol de Salinópolis fosse obra do Magalhães Barata. Pensei também que só tivesse um, mas vi agora que ele era feito em série.

  3. Augusto disse:

    Muito doido isso principalmente porque o fabricante ainda faz farol.

  4. Aristoteles disse:

    Fantástico, Baleixe. Parabéns pela pesquisa e pela matéria.

  5. Maria Amélia disse:

    Fabuloso!!! Nunca imaginei que esse farol tivesse uma história tão interessante e agora quero saber mais de Ilha de Apehu que nunca tinha ouvido falar. Muito bonitos todos o objetos fabricado pela tal BBT como a lanterna que foi publicada. Parabéns ao Blogue da FAU que sempre vem com novidades surpreendentes. Obrigada!

  6. Oxoce disse:

    Essa matéria acaba com a gente, deixa tudo muito aproximado e sem o elastano do tempo.

  7. Natalia Pereira disse:

    Maravilhosa a matéria, muito obrigada! Desde criança sempre tive muitas curiosidades em relação ao farol de Salinópolis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s