Lazarópolis do Tucunduba — tentativa de configuração ilustrada 2

Em Lazarópolis do Tucunduba — tentativa de configuração ilustrada dissemos que o  croqui publicado no livro de José Messiano Trindade Ramos não estava em escala; talvez nos tenhamos enganado, o que seria perfeito à marcação das edificações do asylo representadas na superfície real, sobre casas e quintais daquele setor do Guamá.
Na publicação anterior, sobre este assunto, discutiu-se O deslocamento gráfico do Asylo do Tucunduba por Souza Araújo — de exatos 45º no mapa de Theodoro Braga.
Passamos a crer na possibilidade de desorientação de Souza Araújo em relação aos pontos cardeais; senão vejamos: quando Souza Araújo se dirigia ao Asylo no automóvel Ford, qual caminho o motorista seguia, seria pela Souza Castro ou pela picada que ele riscou no mapa de Braga? (Lembremos que a Barão de Igarapé Miri só seria aberta entre 1925 e 1928 por Dionísio Bentes.)
Em qualquer das duas circunstâncias não haveria encruzilhada com 90º que estabelecesse uma referência a ele confiável, apenas o que pertencia àquele lugarejo afastado — recordemos que o jornalista do Estado do Pará não reconheceu o angular Quarteirão H a meia distância da velha leprosaria; de todo modo o esboço do leiaute do Asylo do Tucunduba, feito por Souza Araújo no mapa de Theodoro Braga, é coerente e dá alinhamento das casas às três enfermarias, deslocando dessa regra e desparalelizando distintamente o retiro de frei Daniel de Saramate e o prédio dito da administração.
De concreto existem as Ruínas do complexo de isolamento do Tucunduba que sabemos, pelo próprio Souza Araújo, estarem entre as outras duas enfermarias; Souza Araújo também informa que fez latrinas nessa enfermaria (central) construída por Enéias Martins em 1916, e que tais sanitários foram ligados por tubos de grês — exatamente como os encontrados  pelo morador da casa visitada — a uma fóssa septica; isto em 1921.
Assim, aliado ao fato do Retiro São Francisco posicionar-se à direita da entrada do Leprosário do Tucunduba, arriscaremos  uma nova orientação do croqui que possuímos:

Ampliável

Com a nova orientação do croqui — e se ele estiver mesmo em escala — será possível localizar, aproximadamente, em mapas atuais e imagens de satélite, o posicionamento das construções fotografadas do complexo de isolamento do Tucunduba.
A aerofoto de 1955 sugeriu parte de um muro que foi marcado em branco; observar: sugeriu, o que pode, também, induzir ao equívoco.

Leiaute e orientação anterior do Hospício (F)


Nova orientação do conjunto mantendo parte do leiaute anterior substituindo a desarrumação da administração e do Retiro São Francisco – com miolo em vermelho —  retirada do desenho de Souza Araújo no mapa de Theodoro Braga.

Superposição em aerofoto de 1955

Superposição em foto atual de satélite


A descoberta d’O Quarteirão H do Guamá e outras informações já referenciadas no texto anulam a publicação Lazarópolis do Tucunduba — tentativa de configuração ilustrada; à qual faremos um postscriptvm de alerta, sem apagar o erro do raciocínio anterior.

Sobre o Projeto Laboratório Virtual - FAU ITEC UFPA

Ações integradas de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará - em atividade desde maio de 2010. Prêmio Prática Inovadora em Gestão Universitária da UFPA em 2012. Coordenação: professor Haroldo Baleixe.
Esta entrada foi publicada em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, História, Memória, Patrimônio e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

1 respostas para Lazarópolis do Tucunduba — tentativa de configuração ilustrada 2

  1. André Gusmão de Araújo disse:

    Tenho acompanhado essa pesquisa. EXCELENTE!

Deixe uma resposta