Lazarópolis do Tucunduba — tentativa de configuração ilustrada

Ampliável

O professor Márcio Couto Henrique nos enviou o Croqui do Leprosário do Tucunduba reproduzido no livro de José Messiano Trindade Ramos a partir de publicação jornalistica.
A intenção do projeto Blog da FAU é dar sentido às poucas fotografias que registram as edificações de um setor do bairro do Guamá que preserva ruínas de uma delas.
Como o desenho não está em escala e pouco informa ao propósito resolvemos interpretá-lo à crítica dos experts:

Ampliável

Considerou-se a base do layout orientação do Hospício (F); dessa forma estabeleceu-se duas vistas: a primeira (1) de rumo Este  — da Igarapé Miri  ao perpendicular Tucunduba — e a segunda (2) apontada ao Sul, para o rio Guamá, em via aparentemente paralela à Augusto Corrêa.
A Vista 1, que é precedida pelo portal, mostra fileiras de casinhas nos dois flancos, além dos edifícios maiores que as encobrem.
Observadas as fotografias do quadro vermelho também há coerência na Vista 2, pois o prédio que tem a tabuleta Hospício dos Lázaros possui pouco beiral à direita e é avarandado à frente e ao lado esquerdo (confirmando alpendres); também, na outra margem desse caminho, há uma fileira de casinhas.
Todavia há um senão: as ruínas que lá estão — paralelas e entre os quintais da Barão de Igarapé Miri e Jiparaná — a definir localização e orientação não podem, em hipótese alguma, ser desconsideradas; são elas a única referência real do lugar.
No croqui, o que já concluímos ser a muralha do porão da enfermaria mandada levantar por Enéas Martins em 1916 e reerguida pelo provedor Antonio Facióla em 1928 está em desobediência à razão e ao relatório desse governador:

Enéas Martins deixa claro que em 1916, na Leprosaria do Tucunduba, só havia um velho pavilhão e algumas barracas de palha.


Mais sobre o assunto em:

Outra foto do prédio do Tucunduba que deixou ruínas no Guamá

O chalé das ruínas do Tucunduba em 1928

As ruínas do Tucunduba são do Pavilhão Antonio Lemos

Ruínas do complexo de isolamento do Tucunduba

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, História, Memória, Patrimônio e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Lazarópolis do Tucunduba — tentativa de configuração ilustrada

  1. Ricardo Conduru disse:

    Seria interessante fazer a reprodução do croqui sobre o mapa do Google.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s