Outra foto do prédio do Tucunduba que deixou ruínas no Guamá

A fotografia de 1938 ilustra a matéria publicada no jornal Folha do Norte intitulada Asylo do Tocunduba simples e amarga recordação sobre o fim da leprosaria pela transferência dos hansenianos à Colônia do Prata.
O recorte, enviado pelo colaborador José Maria de Castro Abreu Júnior, consta da Hemeroteca Theodoro Braga do Arquivo Público de São Paulo, mas não possui datação além do ano.
Sabe-se agora que o chalé tinha nove vãos laterais; apesar do porão não ser visto, basta aos moradores da Barão de Igarapé Miri ou da Jiparaná fazerem a contagem à noção do que sobrou em seus quintais do paredão da velha enfermaria rebatizada de Pavilhão Antonio Lemos em 1928.
A legenda do clichê diz: Dois pavilhões da Cidade da Amargura, um dos quaes, o da esquerda, não será demolido, para servir de abrigo aos doentes que vierem do interior.


Mais sobre o assunto em:

O chalé das ruínas do Tucunduba em 1928

As ruínas do Tucunduba são do Pavilhão Antonio Lemos

Ruínas do complexo de isolamento do Tucunduba

Sobre Projeto Laboratório Virtual - FAU ITEC UFPA

Ações integradas de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará - em atividade desde maio de 2010. Prêmio Prática Inovadora em Gestão Universitária da UFPA em 2012. Coordenação: professor Haroldo Baleixe.
Esta entrada foi publicada em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, Memória, Patrimônio e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta