Asylo do Tucunduba — a edificação de 1866 e sua ampliação em 1885

Nas publicações Lazarópolis do Tucunduba — tentativas de configuração ilustrada (1, 2, 3, 4 e 5)dentre erros e acertosdesignou-se o croqui acima pré e pós 1928 até 1938.
Restava-nos saber o que funcionara no pavilhão norte — retângulo azul e vermelho — e quando ele teria surgido.
Em 1861 foi Levantada a planta e feito um orçamento do novo hospício dos lázaros; entretanto, posta em dúvida a propriedade do lugar pela Santa Casa — aqui suscitada em A Fazenda Olaria Sant’Anna da Pedreira —, adiou-se a obra, mas pôs-se de pé um telheiro, à guarda de materiais e moradia de operários, arquitetado pelo mestre Antonio Joaquim Rodrigues Neves; no sequente 1862 não haveria dinheiro sufficiente para dar-se começo á obra — não descobrimos a localização planejada ao novo hospício, nem de seu canteiro.
Em 1867 o ministério do imperio, segundo o Jornal do Pará 10OUT1867, autoriza o credito de dezeseis contos de réis para pagamento da despeza feita com a construcção da enfermaria de bexiguentos no lugar denominado Tocunduba, de que foi encarregado o mestre Manoel Antão e determinando que seja aquelle edifício inscripto nos proprios nacionais.
Em 1872 o Governo Imperial sede ao provincial a dita enfermaria de bexiguentos (desocupada e a estragar-se pelo menos desde 1869) para que nela se instalasse o Azylo dos alienados:


Em 1873, após reformas no proprio nacional do Tocunduba, os alienados foram transferidos do hospital da Santa Casa, onde se achavam, para o seu novo hospício.
Como esta investigação é colaborativa, conta-se com o auxílio de um morador daquele setor do bairro do Guamá, o pesquisador Ricardo José Condurú, que nos enviou um recorte de O Liberal do Pará 25ABR1885:


Para entender parte do orçamento

À época desse augmento e reparo do edificio em que funciona o asylo de alienados era provedor da Santa Casa de Misericórdia o cônego José Lourenço da Costa Aguiar.
Uma cobertura com 259,625m²; contendo salas com Sualhos dividindo 124,70m² e cozinha com 25,560m² ladrilhados seria uma edificação significativa que ainda poderia ter, de varanda, mais 100m².
Se a obra (de augmento e reparo) necessitava de escada e castellos seria porque a original estaria acima do solo e possuía porão (em terra batida?); habitável?
Dez janelas com grades de ferro transformavam o espaço em prisão; haveria cômodos idênticos no que se ampliava ao leste em 1885, ou os necessarios concertos naquelle lasareto para o fim de servir de hospicio aos alienados aguardaram 12 anos à execução (de 1873 a 1885)?
As buscas permanecem; inclusive para saber se tal ampliação saiu ou não do papel e por quem foi contratada e executada.


Postscriptvm:
O retângulo roxo representa a casa com quintal visitada em 17JUN2017: Ruínas do complexo de isolamento do Tucunduba.


Postscriptvm 2:
Resposta ao questionamento … por quem foi contratada e executada (a ampliação?):

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, História, Memória, Patrimônio e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s