O Posto Atlantic do Carmo

Em O Ver-o-peso de Dona Lourdes Holanda tomamos conhecimento da existência de um posto de combustíveis de bandeira ATLANTIC localizado no Largo do Carmo destinado à venda de óleo diesel às embarcações — ou prioritariamente a estas.
Recentemente, a partir de registros fotográficos feitos em 1973 pelo médico Roberto Serra Freire, observou-se a presença de uma placa em precária edificação de fachada projetada à travessa do Carmo (Dom Bosco) com fundos à escadaria de acesso a um trapiche/ancoradouro na foz do rio Guamá:

Fotogramas do filme Um dia qualquer de Líbero Luxardo (1964-65) mostram a ausência do ATLANTIC no topo da escadaria de conexão ao porto — não há nem sombra do posto.


Dulce Rosa Rocque, moradora do Largo do Carmo e colaboradora do BF, enviou-nos um postal mais remoto pertencente à fototeca do IBGE — possivelmente da virada dos anos 1930-40 —  no qual inexistem construções que interrompam a vista às margens ribeirinhas no final da travessa do Carmo (Dom Bosco).
Dulce acredita, a partir de informações de vizinhos, que o Posto Atlantic do Carmo tenha falido no ano de 1975 dando origem à ocupação desordenada da beira do rio em consequência do não pagamento do seu vigia que trouxera, do município de Igarapé Miri, um a um os parentes que se estabeleceram na área.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, História, Memória e marcado , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para O Posto Atlantic do Carmo

  1. Paulo Andrade disse:

    Em 1966 era estudante do Carmo, vestibulando, e entrava pela portaria do colégio ao lado da igreja e em frente à praça. O Diretor era o bom bebedor de vinho, o velho gente boa, italianão, padre Grismond. Não tenho na memória nenhuma presença desse posto Atlantic. A placa, é possível que lá estivesse sem que eu a tivesse notado. Mas um posto de gasolina, se lá houvesse, seria notado certamente. Então é provável que o posto tenha desaparecido antes desse ano.

  2. Dulce Rosa Rocque disse:

    Foi o que me contaram, inclusive com detalhes… com historias de paixões, fugas, chifres, kkkk de tudo. Mas a realidade é que essas palafitas cresceram e nem todas melhoraram. Nasceram e cresceram crianças que hoje já fizeram outras crianças que continuam ocupando um espaço que… era rio e que virou rua que os políticos não vêem.

  3. simeibacelar disse:

    Eu também estudei no Colégio do Carmo em 1977 e tinha uma história do padre sem cabeça… que ficava no alto da Torre da Igreja.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s