DISTOPIA — exposição de desenhos dos calouros da FAU


Montou-se hoje no Ateliê da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFPA, defronte ao Rio Guamá, a exposição de desenhos intitulada DISTOPIA* — material coletivo produzido ao longo de três meses pelas duas turmas (manhã e tarde) da disciplina Representação e Expressão I ministrada aos calouros de 2018 ora disposto à visitação pública.
O painel gráfico é composto por doze raciocínios em grupo — seis de cada classe —, com referências visuais que não ultrapassaram o monumento a Gaspar Vianna, defronte à Reitoria da UFPA, concentrando-se na própria FAU e seu entorno próximo.
Em publicação futura, ou postscriptvm desta, pormenores da tarefa projetiva que ensejou aplicação profissional em vinil adesivado serão dados às questões didáticas.
Por ora aguarda-se a produção de audiovisual, pelo estudante Pablo Fernandez, contendo ações praticadas no final desta manhã à sensibilização planificada da parede e a construção do totem à D-I-S-T-O-P-I-A de fonte Bauhaus em tributo a Paul Klee.


*DISTOPIA surgiu democraticamente entre os alunos sem interferência docente.
[s. f. || (med.) situação anômala de um órgão. F. gr. Dys (mal)+topos (lugar)+ia.] Aulete Digital.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Artes Gráficas, Divulgação e marcado , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para DISTOPIA — exposição de desenhos dos calouros da FAU

  1. Jose Carlos Cardoso Filho disse:

    Caro Haroldo,
    Muito interessante o trabalho e a maneira de divulgá-lo. Prometo visitar e registrar.
    Como complemento, olhei no meu velho dicionário (Houaiss) outro significado para a palavra DISTOPIA: lugar ou estado imaginário em que se vive em condições de extrema opressão, desespero ou privação; antiutopia.
    Parabéns aos alunos e ao professor.

    • fauitec disse:

      Zé Carlos:
      De certo modo foi primordial que todos passassem por “…extrema opressão, desespero ou privação…” para expurgar as coisas do lugar comum – o passaporte ao necessário mal lugar: aquele que poucos ousam frequentar.
      Um título elástico em suas significações.
      Abraço,
      Haroldo.

  2. rubiaaimore disse:

    Como explicar que num curso de universidade pública federal, ao final de apenas três meses de trabalho, consiga-se um resultado prático profissional com turmas de calouros?
    A Universidade é hoje o Mal Lugar distante de investimentos e com o pires na mão.
    Parabéns aos remadores de contramaré.
    O resultado tem excelência.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s