Reconhecimento de panorâmica da Revista de Belém nº1

Em 2013 o projeto UFPA 2.0 publicou Revista de Belem. Nº 1. – Livraria Universal Tavares Cardoso & Ca. — um álbum contendo 41 fotografias de Belém do Pará provavelmente tiradas na primeira década do século XX.
Tal obra, tida como rara, fora adquirida em São Paulo pelo professor Flávio Nassar à sua biblioteca pessoal e pertencera ao acervo de Antonio Rocha Penteado autor de Belém — Estudo de Geografia Urbana publicado em dois volumes pela Universidade Federal do Pará em 1968.
Dentre as imagens que compõem a Revista de Belém uma panorâmica carecia de localização para melhor entendimento da evolução arquitetural da cidade:

Alguém se arisca n’águm palpite à identificação do lugar?

O professor Fernando Luiz Tavares Marques, pesquisador titular aposentado do Goeldi e colaborador deste Laboratório Virtual, apresentou-nos a solução ao enigma: estamos olhando a esquina da Manoel Barata com a 1° de Março e o fotógrafo posicionado na torre da Igreja de Santana; no primeiro plano, à direita, vê-se partes do segundo pavimento, da platibanda e do telhado da Fábrica Palmeira antes do incêndio de 1924.


O clichê acima, analisado por Fernando, comprova a assertiva:

Incêndio Palmeira
O prédio que em 1924 possuía três pisos era térreo (com beiral) nos primeiros anos do século XX

Por questões metodológicas vale observar que o investigador teve como referente o torreão (com 4 pavimentos) que se enxerga na foto dos anos 1910 [1904(?)] e permanece de pé em filmagem feita sobre a Campina em 1957 com a Palmeira em sua versão reinaugurada em 29 de abril de 1929:

Torreão comp2

Coadjuvação: Igor Pacheco, editor do site Fragmentos de Belém.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, História e marcado , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Reconhecimento de panorâmica da Revista de Belém nº1

  1. Bassalo disse:

    Quase dava pra ver o Reservatório Paes de Carvalho…

    • fauitec disse:

      Bassalo: acreditamos que a imagem seja anterior às obras, pelo menos visíveis da torre de Santana, do Reservatório Paes de Carvalho. Supomos uma datação máxima de 1904, porque não seria coerente que o fotógrafo omitisse a Caixa d’Água mesmo em construção.

  2. flavionassar disse:

    Eu não comprei o Acervo Penteado para o Fórum Landi, nem existia. Eu estava em busca de imagens do século 19-20 pra ilustrar o Armageddon, uma das referências era a obra do Penteado, mas as imagens de clichê não tinham resolução para fazer as gravuras eletrônicas que imaginaram.
    Foi então que entrando em contato com a viúva (do Penteado) ela disse que venderia “o material” que estava em um baú num sítio.
    Fui a Sampa e trouxe o material.
    Tem muita coisa, muito importante.
    Muitas imagens que precisam ser decifradas e as fontes que ele usou pra escrever seus trabalhos sobre Belém.
    Quem quiser visitar….

Deixe uma resposta para flavionassar Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s