O clube Assembléia Paraense entre o Baratismo e o Antibaratismo de 1951

Na postagem anterior, Cenário que sugere a colaboração de Paul Albuquerque na sede campestre da AP inaugurada em 1957, revelamos, em cochicho: “(Eis a nossa incapacidade interpretativa: Celso Malcher seria o início do Grupo Renovador, ou: o fim do ‘jôgo de azar’ a que se referiria Oswaldo Mendes em 1956?)”.
Por ora não temos uma resposta, mas uma série de recortes tomados do jornal O Liberal, porta-voz do Partido Social Democrático (PSD), do ano de 1951, que pode (a série) alumiar o assunto:

Recortes AP

Lembremos o fato das eleições ao Governo do Estado do Pará, realizadas em 1950, terem como antagonistas Magalhães Barata (PSD) e Zacarias de Assumpção (CDP*); vencendo pela diferença de 200 mil votos o General Assumpção, que assumiria em 1951 ― ano do conjunto de recortes que se referem ao clube Assembléia Paraense.
O primeiro, mera nota pitoresca de difusão, diz respeito ao comportamento da juventude: de como se trajar à Festa Juvenil e não cheirar lança-perfume no clube, pois “… receberá a repressão legal!”.
Da segunda em diante surgem e seguem os ataques: às eleições à presidência e vice-presidência da AP de 1951, da qual saem vitoriosos, da “autêntica ‘jaca'”, Alexandre Zacarias de Assumpção (governador do Estado) e Lopo Alvarez de Castro (prefeito de Belém indicado por Assumpção), “ficando assim entregue a políticos situacionistas, o grêmio líder da sociedade belemense”; à imunidade do “clube do governador”, com privilégio de não ser importunado por promover o carteado “de salão”; dentre outras pérolas, típicas da promiscuidade entre o público e o privado, que bem comprometiam Barata em suas pregressas atitudes, senão vejamos a discussão travada no Senado Federal com o senador Prisco dos Santos, médico,  que sofreu sanções quando presidente da Assembléia Paraense Sociedade Recreativa por causa de cassino, suavizadas como “… coisas do Estado Novo!” pelo ex-interventor de Vargas no Pará entre 1942-1945 (segunda temporada de absoluto poder):

Senado

O que se percebe nas fontes primárias, em associação à síntese de Oswaldo Mendes no final de 1956, é que a AP estaria, desde a época da Segunda Guerra Mundial (pelo menos), envolvida com o jogo de azar e: “por causa dêste, a Assembléia não mais possuía vida social”, prosseguindo desse mesmo modo na gestão Zacarias/Lopo ― dupla que colaborou com a Festa das Flores de 1953, na condição de governador e prefeito respectivamente, quando Celso Cunha da Gama Malcher ocupava a presidência da AP.
Resta-nos saber o período real desses mandatos administrativos na agremiação e identificar se o médico Celso Malcher chegara ou saira; se chegara, à mimese de seus antecessores que ocuparam os mais altos cargos do executivo estadual e municipal concomitantes à presidência e vice-presidência da sociedade, seria um continuísta; se saíra, daria no mesmo, porque quem assumiria, (estava certo), era o Grupo Renovador, segundo A NOITE ILUSTRADA de 26-06-1953; mas… quem seria, então, esse xamã descontaminado que colocaria a Assembléia Paraense nos trilhos que a levariam à primeira sede campestre?
A favor de Malcher pesa sua eleição direta para prefeito de Belém em setembro de 1953, assumindo em dezembro; o que pode significar nada, uma vez que Assumpção chegou a governador do Estado pelo voto popular, em circunstâncias parecidas, sem abrir mão do comando de uma organização elitista.
De novo no cochicho: (Eis a nossa incapacidade interpretativa: Celso Malcher seria o início do Grupo Renovador, ou: o fim do ‘jôgo de azar’ a que se referiria Oswaldo Mendes em 1956?).
Patinar não significa não sair do lugar.
Material em PDF para consulta: O LIBERAL 1951 – recortes 01 e O LIBERAL 1951 – recortes 02.

*Coligação Democrática Paraense.

Colaboração: Regina Vitória da Fonseca.


Postscriptvm (27-out-2015):
O site parceiro Fragmentos de Belém, editado por Igor Pacheco, joga luz no assunto com a publicação de uma fotografia da 15 de Agosto (hoje Presidente Vargas) que mostra o “Casino Marajó” instalado na sede do clube Assembléia Paraense.
Da hemeroteca digital da Biblioteca Nacional Igor postou o jornal Diário Carioca de 30 de março de 1945 que traz a matéria O PARÁ TRANSFORMADO NUMA GRANDE CASA DE TAVOLAGEM.

CM

cdfdf
Colaboração: Igor Pacheco.


Postscriptvm (13/12/2015):

O livro de Clóvis Silva de Moraes Rêgo permanece imprescindível ao entendimento da cronologia histórica do clube Assembléia Parasense; aqui em recortes pertinentes ao assunto:

cdfrt6

Início e entrega das obras da sede campestre da AP ― um parêntesis.

Grupo Renovador: da eclosão à vitória em 1953.

Os questionamentos desta publicação do BF são minuciosamente respondidos em:
RÊGO, Clóvis Moraes. Subsídios para a história da Assembléia Paraense: excerto do relatório do biênio 1965/1967 ; 2ª parte. Belém: (S.n); 1969. 365 p.
Acima fragmentado ao entendimento dos fatos.

Colaboração: bibliotecária Elisangela Silva da Costa do Projeto Memorial do Livro Moronguetá – PROINTER/UFPA.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Belém, História, Reprodução de artigos e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para O clube Assembléia Paraense entre o Baratismo e o Antibaratismo de 1951

  1. Nazaré Costa disse:

    Muito legal esse raciocínio que bota a Assembléia Paraense no nível da Maçonaria com tramas ardilosas de artífices para chegar ao poder no estado constituído.
    Mais um pouco chega-se em novo Código Da Vinci que desvendado mostra que o DNA de Magalhães Barata pode ser encontrado nas nádegas da Paola Oliveira.
    É só teimosia tentar separar o privado do público.
    Sabemos todos que eles dois, sozinhos no escuro, se excitam e nos carcam.

  2. “Eis a nossa incapacidade interpretativa: Celso Malcher seria o início do Grupo Renovador, ou: o fim do ‘jôgo de azar’ a que se referiria Oswaldo Mendes em 1956?”.
    Ora pois, são duas afirmativas: é integrante do grupo renovador e acabou com o jogo ostensivo na AP para impor a moral necessária ao grupo iniciante que ele encabeçava – ele saiu quando foi para a PMB como prefeito eleito, ficando outro médico, o Cláudio Dias, como presidente da AP, em exercício.
    As notícias de jornal mostram que Zacarias de Assupção era tão adepto da jogatina quando Magalhães Barata e o resto da população de poucos endinheirados sobre uma extensa base de miseráveis analfabetos isolados do Brasil no meio da selva amazônica.
    Mas o jogo na AP permanece por vocação, sem nunca ter sido interrompido, até os dias de hoje.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s