A Muralha do Farol Velho de Salinas – 1916 e 1931

Resquícios visíveis da muralha na atualidade

Na postagem Os faróis da Ponta do Atalaia em Salinas – 1916 comparamos as coordenadas do Farol Velho de 1852 com as do Novo de 1916; ambos mostraram-se em pontos submersos do oceano Atlântico afastados por 5 quilômetros.
Nesta publicação trabalhamos com as duas fotografias que temos: a retirada de uma notícia do jornal Estado do Pará de 10 de agosto de 1916 e a do acervo documental de Amelia Earhart da biblioteca virtual da Universidade de Purdue, tomada de um aeroplano em 1931; a panorâmica da Purdoe, de razoável definição, foi preciosa, pois, coincidentemente, revela o ponto de vista reverso e superior da imagem do Estado do Pará.
Os documentos consultados afirmam que os faróis eram vizinhos, já que a ponta ou ilha do Atalaia era estratégia à sinalização da perigosa navegação naquela área costeira; distanciá-los seria insensatez.
O Farol Velho, construído em alvenaria no topo de uma duna para aproveitamento de altura, sempre careceu de arrimo na base de seu morro para suportar ressacas do mar; tal contenção era constantemente recuperada e ampliada até a desativação do equipamento, em 1916, quando inaugurado o Farol Novo.
O Farol Novo de fabricação da companhia francesa Barbier, Bénard & Turenne (a BBT) junto com sua torre alcançava um facho  luminoso entre 50 e 70 metros de altitude, dependendo da maré; as torres do patenteado Systema Mitchell, empregado na construção desse gigantesco suporte em ferro da BBT, dispensavam fundações convencionais e firmavam-se, equilibradas, em terrenos instáveis.
Tanto a  fotografia de 1916 quanto a de 1931 mostram que a base do Farol Novo está fora do platô demarcado pela muralha que se foi construindo, paulatinamente e de acordo com as avarias, ao longo dos 64 anos da serventia do Farol Velho.
Ambas imagens salientam que os faróis, mesmo próximos, estavam em cotas distintas da praia, sendo a do Novo mais baixa alguns metros.
As investigações permanecem porque não encontramos o ano de importação do Farol Novo; nem sabemos o fim do Velho que em 1931 já desaparecera da plataforma emoldurada pela fortaleza de pedras.
Como não há vestígios do Farol Velho no lugar, ainda íntegro em 1931, é possível que o que se veja hoje na orla do Farol Velho em Salinas sejam os pedaços da muralha de proteção do cômoro.
Certamente uma observação in loco permitiria identificar o rumo de um ou mais muros (com suas fundações) lá erigidos e solapados pelas águas; entretanto, as fotografias atuais que mostram os escombros da muralha, nos dizem que o mar não avançou como as coordenadas oficiais antigas indicam; ou seja: o alicerce do Farol Velho pode estar em área privada — são suposições baseadas em relatos e fotos.

Fontes: em construção.
Colaboração: Aristóteles Guilliot, Fábio Mello e José Maria Bassalo.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, História e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para A Muralha do Farol Velho de Salinas – 1916 e 1931

  1. Priscila Gomes disse:

    Simplesmente fantástico. Agora, quando eu for para a praia do Farol Velho, a verei com outros olhos.

  2. Otávio Santos disse:

    Esplêndido. O farol velho saiu do imaginário e agora habita a realidade mensurável. E a Marinha, o que diz disso? A fundação do farol velho está sob uma mansão e fica por isso mesmo? A faculdade de arquitetura provou e comprovou que há um patrimônio do estado do Pará nas mãos de particulares.

Deixe uma resposta para Priscila Gomes Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s