Orla de Belém: imagens de 27 de novembro de 2011

Imagens ampliáveis por clique.

Legendas do conjunto 02:
01. Aterro para integração entre as pistas da orla e a travessa dos Mundurucus.
02. Passagem de automóveis em direção à Mundurucus.
03. Demolição de uma fábrica de palmito no início da Mundurucus.
04. A mesma demolição vista em outro ândulo onde aparece os fundos de um conjunto residencial em construção (obra parada).
05. Barco sobre a praia que se forma, em baixa-mar, além do aterro.
06. A praia enlameada e o início da poluição: pneu de automóvel.
07. Vista do arrimo de pedras e guarda a partir da praia.
08. Pôr-do-sol assistido por moradores da área e visitantes.
09. Casas remanescentes que deverão ser demolidas.
10. O fim da área asfaltada no sentido do Mangal das Garças.
11. Vista da CATA com o observatório do Mangal das Garças ao fundo.
12. Conjunto residencial já habitado no sentido da Mundurucus.
Pode-se acessar à Orla de Belém por automóvel tanto pela rua lateral ao Arsenal de Marinha quanto pela Mundurucus.

Vídeo panorâmico, estabilizado pelo Youtube em 720p, com tomada à travessa dos Mundurucus.


Blog da FAU.
Registros feitos há 3 anos (julho de 2008), quando a obra encontrava-se no final da CATA.
O primeiro vídeo acima teve a trilha sonora retirada por questões de direitos autorais.

Sobre o Projeto Laboratório Virtual - FAU ITEC UFPA

Ações integradas de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará - em atividade desde maio de 2010. Prêmio Prática Inovadora em Gestão Universitária da UFPA em 2012. Coordenação: professor Haroldo Baleixe.
Esta entrada foi publicada em Administração e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

1 respostas para Orla de Belém: imagens de 27 de novembro de 2011

  1. Juliano disse:

    Esta obra é impressionante por uma série de motivos, incluindo a lentidão com que caminha e a falta de diálogo, de negociação clara, de democracia, de respeito aos moradores e à própria questão da moradia na bacia da Estrada Nova. Tomara que a condução política do Município mude logo.

Deixe uma resposta