Os nossos ZEPELINS na história do transporte coletivo de São Luís

mar05

“Os nossos dirigíveis foram, na verdade, criação da Viação Sul Americana, de propriedade do contador do Banco Ultramarino Clóvis Ferreira Jorge & sócios. E eram construídos na São Jorge de Ribamar Ltda., igualmente de sua propriedade. Tinham carroceria de madeira, ferro e flandres, pintados externamente na cor alumínio. O interior era em couro, alcochoado. Em vez de cobradores, eram tripulados por ‘aeromoças’. No início dos anos 60 foram vendidos para Manaus e São Luiz. Antes disso, porém, inspiraram ainda uma marchinha carnavalesca assinada pelo Prof. Clodomir Colino: ‘Mamãe eu quero, quero / andar de zepelim, / com tanta mulher boa / dando sopa, está pra mim’.” (Do livro A Cidade Transitiva, de Armando Dias Mendes)

Um paraense importante no transporte coletivo do Maranhão:

ScreenHunter_72 Mar. 25 22.12

Registro do ônibus “Zepellin” em São Luís contradiz Armando Mendes na datação:

ScreenHunter_73 Mar. 25 22.32

Curiosidade:

mar04
São Luís também possuiu abrigos para passageiros de bondes e ônibus sem que esses fossem chamados de CLIPPERS.

Sobre o Projeto Laboratório Virtual - FAU ITEC UFPA

Ações integradas de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará - em atividade desde maio de 2010. Prêmio Prática Inovadora em Gestão Universitária da UFPA em 2012. Coordenação: professor Haroldo Baleixe.
Esta entrada foi publicada em Arquitetura e Urbanismo, Equipamentos públicos, Equipamentos urbanos, Transporte Urbano e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta