Em defesa da Voz; por Inocêncio Nóbrega

untitled2Criada em 22 de julho de 1935, por Getúlio Vargas, sob a denominação de Programa Nacional, mais tarde Hora do Brasil, propunha por nossos concidadãos, de qualquer recanto do país, bem informados acerca dos principais atos oficiais da Presidência da República. Desde a Agência Nacional de Notícias, nos estúdios da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, inicialmente apresentada pelo radialista Luís Jatobá, para uma cadeia de dezenas de emissoras, continua a ter uma hora de duração (19 às 20 horas), cuja transmissão é obrigatória. Em 1962, passou a ser compartilhada com o Legislativo, dividindo o tempo em partes iguais. Hoje, seus últimos seis minutos são ocupados pelo Judiciário e Tribunal de Contas. Havia, também, informações de estados e municípios, ligadas aos interesses do Catete. Podemos encontrá-la, ainda, pelo vídeo da internet. Seu nome foi, mais uma vez, mudado em 1971, para “A Voz do Brasil”. Recordo-me que sua pontualidade inglesa fazia com que conferíssemos o horário dos relógios. Atualmente, é produzida pela Empresa Brasil de Comunicação-EBC, numa linguagem accessível e escorreita, dentro dos melhores padrões da comunicação radiofônica.
Entretanto, simplesmente irascível a iniciativa da grande mídia nacional, através da Associação Brasileira de Rádio e Televisão-Abert, reivindicando sua flexibilização. Motivo: atender aos caprichos da Copa do Mundo, colocando em risco nossa soberania. Usando como passaporte a deputada Perpétua Almeida (PC do B), Projeto de lei já tramita no Congresso Nacional. A fim de reforçar tal pretensão move solerte campanha, perante a sociedade brasileira, coletando assinaturas por via eletrônica. Escolheu, até, o lema: “A Voz que eu quero Ouvir”, numa clara contestação a um dos símbolos nacionais. Sua aprovação ensejará num crime de lesa-pátria, porém acreditamos que veto presidencial evitará que a história do Brasil não seja mais uma vez maculada. Caso contrário, estaremos a um passo de sua extinção.
As pessoas de bom senso, as quais ainda acreditam nessa nação, certamente não apoiarão esses argumentos dos doutores midiáticos, pois além de pífios e estapafúrdios ferem os princípios da nacionalidade.

Jornalista
inocnf@gmail.com

________________________________
O texto acima expressa a opinião do autor; tal material foi enviado ao BF por e-mail, qualquer contestação ao tema, terá o mesmo espaço à publicação.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Opinião e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s