O BF interpretou mal o que disse Lúcio Flávio Pinto

“Só mata quem opera!” é uma frase comum entre cirurgiões; ou seja: o erro é justificado pela tentativa do acerto.
Erramos ao interpretar o que o jornalista e escritor Lúcio Flávio Pinto nos informou por e-mail: “Foi a Pan Am que deu ao seu avião de cruzeiro o nome de Clipper. Como a empresa passava muito por Belém, parada nas rotas internacionais, o povo incorporou o nome às paradas. É que era prova de status dizer que tinha viajado no Clipper.”.
A rota que passava por Belém e que dava nome a “subsidiária” da PanAm, a NYRBA —New York – Rio – Buenos Aires, rebatizada PanAir —, não utilizava o hidroavião citado na postagem “O termo CLIPPER e o Boeing Model 314 Clipper Flying Boat“; mas, os que se apresentam acima, junto ao recorte de um texto sobre a PanAm que ficará disponível abaixo em PDF.
O bom do vacilo é que voltamos a dar validade, mesmo que parcialmente, a postagem CLIPPER — mera alusão aos hidroaviões de casco? que concluiu que o termo CLIPPER, atribuído às PARADAS DE ÔNIBUS de Belém do Pará, teve início em setembro de 1930.
Associando o comentário de Lúcio Flávio ao documento, observamos que por volta de 1932 instituía-se a rota Nova York / Mar del Prata, outro “cruzeiro”, que reforçaria o apelido de CLIPPER às nossas PARADAS DE ÔNIBUS.
Então, a referência imagética, neste caso, volta-se para os dois modelos de hidroavião que aparecem na imagem do topo: o SIKORSKY S-38 e o COMMODORE.
Por coincidência encontramos o Lúcio pessoalmente, no início da tarde de hoje; em rápida conversa entendemos que as datas das imagens postadas no Blog da FAU devem ser revistas em análises mais acuradas e com respaldo em documentação mais confiável.
Tudo isso é normal diante do trabalho que o BF se propõem a desenvolver: pesquisas públicas com a participação da comunidade acadêmica ou não; afinal, é nossa intenção afirmar esta extensão universitária virtual da Faculdade diante dos olhos do mundo, sem subterfúgios.

PAN AM – A pioneira mundial no Brasil (PDF).


Postscriptvm (o1/11/2014):
Acompanhe a evolução da pesquisa pelo SUMÁRIO que dá acesso às postagens sobre CLIPPERS até 24/10/2014.
Algumas informação contidas nesta postagem podem ter caído por terra em consequência da aparição de novos registros documentais.
Não fazemos nenhuma reparação nos textos originais, apenas colocamos esta nota ao final das publicações cobertas pelo período do resumo.
Aprendamos com os nossos erros.

Esse post foi publicado em Investigações do Blog da FAU e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para O BF interpretou mal o que disse Lúcio Flávio Pinto

  1. ArthurLoureiro disse:

    Clipper também era o nome dado à uma embarcação. Achei que isso tinha a ver com as paradas..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s