Categorias
Atualidades Defesa de dissertações Divulgação

Divulgação/convite à FAU


Stella Pessôa, engenheira e escritora, é colaboradora do Blog da FAU.

Categorias
Atualidades Design Fotografia recente Investigações do Blog da FAU

Por falta de JESUS, ninguém morre em Belém

Existe ali na travessa das Mercedes, no nº169, de esquina com a Feira da 25 — que, pelas razões óbvias, esperamos jamais se transtorne em Feira do Rômulo — a CASA DE MARISCO ESTRELA DO MAR.
É um lugar simples, no feitio do seu aconchegante entorno, que vende o famoso “camarão seco do Maranhão” e, também, a linha de refrigerantes  JESUS.
Uma latinha gelada sai por R$2,50 e a PET de 2 litros, também gelada, por R$6,00; de lambuja prova-se uns camarões.
Perguntamos ao proprietário, um senhor tipicamente maranhense, se ele saberia informar se há outro local em Belém que comercialize o produto rosa premiado; ele acredita que não.
Então: é ele mesmo o representante de JESUS na Cidade.

Categorias
Arquitetura Equipamentos públicos Fotografia Fotografia antiga História Investigações do Blog da FAU

CLIPPERS da memória de Belém

Na imagem acima temos mais dois CLIPPERS, ou PARADAS, como anunciava a placa em concreto sobre a laje daquele que ficava defronte à igreja das Mercês.
A foto desse clipper, onde se lê SORVETERIA RIO BRANCO, foi digitalizada a partir de um cromo com 5,5 x 5,5cm e, no envelope que o continha junto com outros, havia a inscrição “Para a Bibita 17-5-935”; essas informações podem ser conferidas em Belém do Pará: um dia desenhado em 1935 (2ª parte) do Blog HB.
Já as outras duas imagens, fornecidas ao BF pelo médico e escritor José Maria de Castro Abreu Júnior, que as “confiscou” lá pelas bandas do Facebook sem nenhuma identificação, são inéditas para nós; mas, ao que tudo indica, foram tiradas em épocas bem próximas — nota-se a aparência de clippers recém-construídos.
No bairro do Guamá, na esquina da Augusto Corrêa com a Barão de Igarapé Miri, existe uma remanescência desse tipo de equipamento público; procuraremos fazer uma postagem com fotografias daquele lugar.

Fotos acrescentadas à postagem em 21 de maio de 2012 por sugestão da bibliotecária Regina Vitória Alves, colaboradora do BF.


Postscriptvm (o1/11/2014):
Acompanhe a evolução da pesquisa pelo SUMÁRIO que dá acesso às postagens sobre CLIPPERS até 24/10/2014.
Algumas informação contidas nesta postagem podem ter caído por terra em consequência da aparição de novos registros documentais.
Não fazemos nenhuma reparação nos textos originais, apenas colocamos esta nota ao final das publicações cobertas pelo período do resumo.
Aprendamos com os nossos erros.

Categorias
Artes Plásticas Design Propaganda atual Reprodução de notícias

JESUS é o CARA

Imagem-link à revista ÉPOCA de 18/07/2010.

Colaboração: Regina Vitória Alves (Bibliotecária).

Categorias
Arte Sacra Divulgação

Divulgação/convite à FAU

Categorias
Curiosidades

Há 11 anos a Coca-Cola comprou Jesus; você sabia disso?


Elementos da renovação da identidade visual de Jesus em 2008, com referência nos azulejos coloniais portugueses presentes no casario de São Luís; é “O sabor de viver o Maranhão”…

… no estilo das linhas que mantém a Coca-Cola entre as marcas mais famosas, poderosas e valiosas do mundo contemporâneo sem fronteiras.

Você percebe que há muito da Coca-Cola em Jesus?

Então…

… transformemos a Coca-Cola em azulejo português ludovicense!

Categorias
Atualidades Reprodução de artigos

Meninas Fáceis; por Luiz Felipe Pondé

E aí, leitor de 15 anos? Diga-me cá uma coisa: é verdade que as meninas hoje transam muito? Quantas já deram em cima de você, fazendo você se sentir um frouxo se “não comparecer” quando ela quiser?
Atenção terapeutas de plantão: não me venham dizer que as meninas hoje em dia “evoluíram” e que querem meninos sensíveis, porque, para elas, meninos sensíveis só são bons para tirar sarro. E que fiquem fora da cama delas. Ou seria fora do carro delas? E aí, leitora de 40 anos, você acha esse papo muito vulgar?
Sinto muito, as meninas “evoluíram” e agora são senhoras dos seus desejos e isso basicamente quer dizer: são fáceis. Quer saber? Acho uma hipocrisia ficar lamentando que as meninas estejam transando por aí. Todo esse estardalhaço com relação “as pulseiras do sexo” é puro blá-blá-blá. Se as meninas estão transando por aí, é porque dissemos a elas que isso é legal, não?
Vejamos. Mas, antes, um reparo.
Repito o que já disse: não acredito que se faça melhor sexo hoje em dia, acho sim que hoje existe muito marketing, muito papo furado, muita mulher sozinha que se veste pra si mesma num ritual macabro de vaidade e… muita gente brocha.
A chamada “revolução do desejo” serve para ganhar dinheiro com publicidade, livros de sexo chique e para aumentar a sensação, em seres humanos reais, de que todo mundo está transando menos você.
Mães de 50 anos se deliciam em vender a imagem de si mesmas como máquinas de sexo. Na realidade, no silêncio de seu quarto escuro, são umas invejosas, que queriam ser como suas filhas: mulheres fáceis.
Professoras inseguras com seus corpos cansados, atônitas com a inutilidade última de toda sua inteligência diante da chacina que é a vida cotidiana, invejam as suas alunas deliciosas que desfilam pernas e seios por aí, dançando a dança do acasalamento. Sim, deveriam tê-las avisado que a vida se repete exatamente naquilo em que ela é miserável: medo, inveja, baixa autoestima e abandono.
Cursos chiques trabalham o corpo para que ele seja fácil de manipular na cama, no carro, no banheiro.
Teorias psicológicas e filosóficas empacotam a vontade de ser fácil em papel de presente fingindo que existe mesmo uma coisa chamada “sexo revolucionário”. E aí, quando os padres fazem sexo com meninos, os revolucionários de meia pataca põem o rabo entre as pernas e se escondem porque não têm coragem de enfrentar o horror do sexo “livre”.
Não existe sexo livre, existe apenas sexo sem amor.
Comédias de TV idealizam mulheres urbanas que transam assim como quem corre em esteiras aeróbicas (ou seriam “anaeróbicas”?), calculando o “tamanho” de seus homens, se gabando, assim como homens boçais, da quantidade de vezes que gozam.
Músicas nas festas das escolas e nos aniversários de crianças cantam a banalidade dos gestos sexuais, fixando os olhos vazados das meninas no desejo de crescer o bastante para serem fáceis. Programas infantis ensinam a vulgaridade como forma de liberdade corporal na frente das câmeras. Programas “teens” de TV elevam ao grau de guru quem transa aos dez anos, contanto que use camisinha. Pedagogas, sob o signo de preparar para a vida, barateiam os corpos das meninas ensinando sexo fácil como se fosse sexo seguro.
Salvem as baleias, as focas, o verde, o planeta, os “baby monkeys”, mas transem fácil.
A forma como o aborto é tratado (todo mundo é a favor, menos os “tolinhos”) é prova de como o sexo e as meninas são artigo vendido às dúzias nas feiras de periferia. É isso aí: mulher fácil é mulher barata. Tem mais mulher do que homem no mundo (não estou seguro dessa informação, mas todo mundo diz que sim, principalmente as mulheres solitárias) e, com a liberação delas, o preço ainda caiu mais. A melhor coisa que existe para um cara que quer uma mulher barata é que ela pague suas contas.
Alguém precisa parar de mentir e avisar para essas meninas que a vida é uma chacina cotidiana. Que o envelhecimento chega sem que você espere, que o mundo fica repetitivo com o tempo, que as pessoas ficam previsíveis e que sexo fácil é sempre sexo sem amor. Avisem a elas que o amor é raro, difícil, caro, duro de encontrar, morre fácil, porque é sempre mal-adaptado num ambiente mais afeito a baratas do que a seres humanos.
Enfim, que uma das lutas contínuas da civilização é contra a indiferença porque homens e mulheres não são especiais e existem às dúzias por aí, a gargalhadas, como bonecos de cera sem graça.

Fonte: Conteúdo Livre.