A derradeira postagem de 2016 – o Jardim Mythologico de Belém do Pará

almanack-administrativo-mercantil-industrial-e-noticioso-da-provincia-do-para-para-o-anno-de-1873-anno-quarto
Fonte: Hemeroteca Digital Brasileira Biblioteca Nacional.
Publicação relacionada: Onde ficava o Jardim Mythologico de Belém do Pará?


Veja o que foi o Jardim Mythológico de Belém do Pará – localizado na área do hoje Jardim Independência na Magalhães Barata – em crônica publicada em O Liberal do Pará do dia 21 de setembro de 1871:

jm

Ampliável por clique à melhor leitura


Chamamos a atenção dos leitores que o colunista Junior Sobrinho (pseudônimo?), quando se refere a wagons e machambombas (maxambombas), quer dizer os vagões e locomotivas da Companhia Urbana da Estrada de Ferro Paraense  que tinha sua estação e garagem defronte ao Jardim Mythologico na Estrada da Independência.
Como o jornal não dá a localização do Mythologico, tem-se que focar acuradamente no ano: 1871; caso contrário há a possibilidade, por má interpretação, de um deslocamento no espaço e no tempo à Estação da Estrada de Ferro de Bragança do Jardim Público  Estrada de São José em 1888, pelo menos.
O texto é uma armadilha aos pesquisadores (atuais e do passado) porque ambas as estações ferroviárias, tanto a da Urbana Paraense na Independência (1871) quanto  a de Bragança na São José (1888), estavam defronte de notórios jardins: o Mythologico e o Publico, respectivamente.

Fonte: recortes de jornais da Hemeroteca Digital Brasileira  Biblioteca Nacional.

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, Belém, História, Memória e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A derradeira postagem de 2016 – o Jardim Mythologico de Belém do Pará

  1. Caro editor, Haroldo Baleixe, polpe seus esforços e traga-nos as maravilhosas “novidades do passado” que estamos acostumados por sempre nos surpreender.
    O seu colaborador, de ética duvidosa, não conseguiu arranhar a credibilidade do Blog da FAU, projeto valoroso à sociedade, por você coordenado, mas à Rádio Cultura, principalmente à figura carimbadíssima do nosso patrimônio auditivo da hora do almoço, o Edgar Augusto Proença.
    Edgar e sua equipe não deveriam ter permitido uma prepotência titulada ao telefone como também e sempre, o que não ocorre, revelar a fonte das perguntas para os devidos contraditórios.
    Nícolas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s