O voo e o barulho do Sikorsky S-38 em HD


FAU
É um dos modelos de hidroavião CLIPPER da PAN AM que fazia a rota internacional da América do Sul.
Assista ao vídeo na opção HD 720 para perceber as texturas das superfícies e a matéria em si; a relação entre todo e partes e a forma da baleia (repara-se também um sapato mocassim, criação dos índios americanos, ícone de conforto); na realidade, um exemplo de desenho aeronáltico-industrial provocativo às atitudes inovadoras de comportamento que se refletiram em muitas áreas, inclusive na arquitetura para o mundo moderno, no qual o voo coletivo se popularizava.
Por que ver o vídeo? Porque nele se enxerga bem muitas angulações da aeronave e, principalmente, a configuração formal que assume o Sikorsky S-38 ao estar dentro d’água, com a baleia ou o mocassim quase submersos.
Todos temos curiosidade pelo que voa, contudo, observar atentamente algo acima de nossas cabeça não é tarefa fácil e, em qualquer circunstância do céu: negativando ou positivando a imagem.
O filme nos dá a dimensão do olhar do belenense quando o hidroavião, já popularizado CLIPPER* por estas bandas, flutuava na Baía do Guajará.
Não seria difícil, à distância do objeto, elucubrar sobre semelhanças palpáveis e/ou emoções abstratas e/ou não dissociar o conjunto de significações imbutido em algo revolucionário e elegante; ou, simplesmente intrigante: “uma casa, ou um ônibus, que navega e avua (ou vice-versa)”.
Poderiam eles imaginar, em dias ensolarados ou chuvosos, um abrigo afastado, superdimensionado (pela aerodinâmica necessária às asas) e seguro: “…um lugar legal pra ir!”.
Então, por que não transferir essa boa sensação ao que fazia parte da sua realidade, do seu dia a dia: à PARADA DE ÔNIBUS recém-criada, estranha aos velhos telheiros dos bondes que iam, inevitavelmente, em direção à História.

Mas há uma outra possibilidade; remota, entretanto razoável: será que o autor da PARADA não a batizou CLIPPER, pelo simples fato de ter tomado as asas (ou o conjunto que remete a um coletivo estacionado) do hidroavião como referência e síntese de sua criação?

*CLIPPER foi um termo criado por associação a um veleiro rápido capaz de cruzar grandes mares, isto porque esses hidroaviões, pela quantidade de combustível que carregam, têm bastante autonomia de voo; de todo modo, ambos fazem parte de um universo peculiar que lida cotidianamente com água e vento; aventuroso, por assim dizer.

Esse post foi publicado em Curiosidades, Equipamentos urbanos. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s