Fragmentos de Belém; por Plano Geológico 3


Grande Hotel, av. Pres. Vargas / Acervo

“Imagine-se agora, na rua do lado ocidental do Theatro da Paz, no mesmo Largo da Pólvora (Praça da Repúlica), um edifício de quatro andares, o piso inferior abrindo-se em portas envidraçadas, os balcões da janelas superiores em ordenação clássica, culminando, de ambos os lados de um frontão central, em mansardas semelhantes às dos prédios da Rue de Tivoli, em Paris, ponham-se-lhe em sua calçada fronteira, com as respectivas cadeiras portáteis, mais de uma dezena de mesinhas de tampo circular de pedra, cada qual cercado por aro protetor de metal amarelo, e teremos o Grande Hotel e sua terrace, quarto ícone urbano, construído no fim do século, e que, ainda sólido e em condições de funcionamento, na mesma década de 1970, quando o arraial de Nazaré acabou, a especulação imobiliária suprimiu da paisagem urbana”.

Benedito Nunes & Milton Hatoum – Crônica de duas cidades (2004)

Imagem e texto retirados do site Fragmentos de Belém.

__________________________________

Leia mais sobre o edifício em Grande Hotel: apenas hóspedes da memória; publicado no Diário do Pará de 30/01/2011.
(Parece que o texto de Nunes e Hatoum contém uma pequena falha: onde se lê “fim do século”, seria “início”.)

Esse post foi publicado em Fotografia antiga e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s