Presença incômoda


Na postagem Mutações da paisagem urbana de Belém comparamos duas imagens em momentos distintos; na primeira se observa a existência de um sobrado que foi ao chão em prol da ampla passagem do Círio de Nazaré, o que a segunda foto comprova flagrando a construção do prédio do Bechara Matar em substituição a outra demolição, dessa vez do sobrado vizinho, com três pavimentos.
Desde 1999 se convive com a carcaça do Bechara Matar: escombros de um incêndio que se arrastam em recuperação por 13 anos.
Esse prédio, que não ata nem desata, fica exatamente na fronteira entre o Comércio e a Cidade Velha; se sumisse da paisagem afloraria ainda mais a Sé.
Por que o poder público não desapropria a área, faz a demolição e no lugar planta algumas das tantas árvores que Belém necessita?

Sobre o Projeto Laboratório Virtual - FAU ITEC UFPA

Ações integradas de ensino, pesquisa e extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará - em atividade desde maio de 2010. Prêmio Prática Inovadora em Gestão Universitária da UFPA em 2012. Coordenação: professor Haroldo Baleixe.
Esta entrada foi publicada em Arquitetura e Urbanismo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

1 respostas para Presença incômoda

  1. José Maria disse:

    Uma época tinha um cartaz com a “assinatura – logo” do Paulo Chaves e outros “Gênios da criação” (assim dizia o cartaz), que aquilo seria um presente para Belém. Estamos aguardando. O cartaz não resistiu.

Deixe uma resposta