O Pavilhão de Vesta seria obra da Constructora de Lemos?

Conjunto ampliável

As fotografias acima, publicadas em anos distintos, mostram a mesma esquina: Estrada de Nazareth/Travessa Generalíssimo Deodoro com vista ao Largo de Nazareth; a construção visível e comum às três é o Pavilhão de Vesta, obra que em 1891 substituiria o Pavilhão de Flora erigido em 1851 que cahio aos profundos golpes das picaretas vibradas pelas mãos profanas dos servidores da Intendencia!  (Diário de Notícias 22JUL1891)
Vesta teria outro fim, com mais de meio século de existênciaO desabamento…
Mas… regressemos no tempo: quando em 1890 a Companhia Constructora Paraense, sociedade anonima embrionária, propôs à Intendência Municipal de Belém construir no largo de Nazareth um pavilhão de ferro em substituição do que ali existe (Flora) e mais quatro nos angulos não calçados da mesma praça…
A Constructora, firma criada por Antonio José de Lemos e quatro sócios, intencionava explorar tais equipamentos passando os mesmos á propriedade da Intendencia no fim de 30 annos, e todos de acordo com as plantas que no prazo de 90 dias se obriga a apresentar á approvação da Intendência. (A República 29AGO1890)
A República mostra que a proposta fora rejeitada, todavia, subtraída da data de demolição do legendario Pavilhão de Flora, tem-se um intervalo inferior a um ano à análise de nova proposta; ou menos, se considerados três meses à aprovação de planos construtivos como regra.
Daí o questionamento: O Pavilhão de Vesta seria obra da Constructora de Lemos?
Haveria pertinência ao sim no caso da Companhia Constructora Paraense ter modificado seu projeto ao agrado dos pareceristas da Intendência; então um pavilhão de ferro em substituição do que ali existe (Flora) e mais quatro nos angulos não calçados da mesma praça transformar-se-iam  num pavilhão de cimento armado no centro da praça com quatro coretos em material misto [alvenaria, madeira e ferro(?)] nos vértices do logradouro como mostra a fotografia publicada em 1897 em L’état de Pará — tal imagem, certamente de momento pré ou pós Arrayal de Nazareth, nos faz enxergar barracas ou brinquedos além do Vesta e de um dos pavilhões de música (ou coretos) com dois pavimentos habitáveis.

Foto de Felipe Augusto Fidanza, da mesma época, sem os apetrechos típicos do arraial, mas que localiza o Vesta e outro coreto alto em ângulo do largo.


A Folha do Norte de 30AGO1896 parece elucidar a composição do cenário registrado por Fidanza confirmando a pretensão da Constructora (ou empreiteira congênere contratada ao serviço): explorar comercialmente os coretos.
A outra imagem (segunda foto do topo), retirada do álbum (de 1897 a 1899) do governo Paes de Carvalho, denuncia a ausência do pavilhão alto de escada íngreme em madeira sem corrimão da quina (Nazaré/Generalíssimo) da praça e a permanência soberba do Vesta.

O primeiro relatório de Antonio José de Lemos, no papel de intendente municipal de Belém, cobre o período entre 15 de novembro de 1897 e 15 de novembro de 1902 (5 anos) e é lustrado pelo Album de Belém Pará 15 de Novembro 1902  do qual retirou-se a última fotografia na sequência do topo do post; tal estampa revela nova tipologia nos coretos com aberturas de ventilação em seus porões forçando a unidade visual destes em relação ao Vesta que também não as possuía em sua origem.

O Pará 1908,  relatório do governador Augusto Montenegro (1901 a 1909), traz fotos do largo (com passeios em fórma de cruz de Lemos), do Vesta (com revestimento e aberturas distintos) e dos coretos (aparentemente sem novidades).


A pergunta do título, ainda sem resposta pela carência de dados, provoca algumas especulações:
Seriam as 42 casas da Villa Operária MacDowel as únicas obras da Companhia Constructora Paraense de Lemos e sócios?
Sabe-se que sua liquidação no final de 1896 não foi por insolvência: a Construtora possuía Uma villa de casas no coração da cidade; Terrenos no Jupatituba, em aquisição; Terrenos valiosos no Paul d’Agua; Terrenos agricolas no Castanhal; dos quais só encontramos a venda da Villa à AMAZONIA Companhia de  Seguros Terrestres e Marítimos.
É possível que os ditos Terrenos valiosos no Paul d’Agua sejam os mesmos onde Francismo Bolonha instalou sua montanha russa em 1899 (a Ferro-via Aérea Sensacional) e, na sequencia temporal: sua vila e palacete.

A marcação amarela na foto de satélite do Google tenta ilustrar a frustração da Companhia Constructora Paraense em 1893: abrir uma rua, entre a calçada do Collegio e o becco do Castello — contrato com o Bispo Diocesano, Dom Jerônimo, que não obteve aquiescência da Intendência por se tratar de edificações, na via, destinadas ao comercio e não á moradia das classes pobres. (A República 25MAR1893)
Mas… O Pavilhão de Vesta seria obra da Constructora de Lemos?
A despeito do que os jornais da época antagonizaram sobre história clássica, Vesta guardaria um conceito filosófico  explicado em 2007 por Patricia Horvat em O Templo de Vesta e a Ideia Romana de Centro do Mundo — o que não garante solução ao problema, apenas sugere a condição laica do abrigo, palco de festas profanas como fora a tenda Flora.


Referência virtual atual da construção de 1891 no centro do Largo de Nazareth em Belém do Pará:

Fonte: Progetto Traiano.


Matérias correlacionadas:

Passagem Mac Dowell — 125 anos da benção

A Villa Mac Dowell foi rebatizada Villa Amazonia 

Estrada Gentil Bittencourt, 32

Redesenhando a Villa Operária Mac Dowell 

A Villa Mac Dowell da Constructora de Antonio Lemos

A presença de Mac Farlane na Villa Mac Dowell 

Redesenhando a Villa Operária Mac Dowell (2)

Relíquia da Companhia de Seguros PARAENSE

Anúncio do terreno onde foi construída a Villa Operária Mac Dowell — 1888 

Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo, História, Memória e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s