A chegada de Getúlio no Palacete Passarinho (1933)

Entrada de Getúlio Vargas pelo jardim principal do Palacete Passarinho


O Palacete Passarinho recebendo Getúlio Vargas em 27 de setembro de 1933

O Palacete Passarinho, onde o dr. Getulio Vargas ficará hospedado, está dotado de todas as commodidades, nelle existindo uma sala telegraphica, com installações Morse e de radio; uma sala para o serviço de imprensa e varios gabinetes para trabalho.
Foram instalados, nos varios compartimentos do palacete, 18 telephones.
Todo o edifício será profusamente iluminado. A fachada está coberta de lâmpadas electricas. [Correio da Manhã (RJ) 27SET1933]

Os clichês também ilustram Palacete Passarinho – “residência provisória” de Getúlio Vargas – 1933.

Fonte das imagens: Revista da Semana 21OUT1933.

Publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, História, Memória | Marcado com , , | 1 Comentário

Divulgação/convite à FAU

Imagem | Publicado em por | Marcado com , , | Deixe um comentário

Divulgação/convite à FAU

Imagem | Publicado em por | Marcado com , , | Deixe um comentário

Clipper Nº2 — Vida Doméstica de NOV1939


O Clipper Nº2, do qual se tem poucas imagens fiáveis que permitam a reprodução de seu desenho, aparece em fotografia publicada na revista Vida Domestica de novembro de 1939.
Apesar da falta de nitidez observamos a aparência de duas escadas de acesso lateral traseiro à laje e não uma só como imaginávamos — o Clipper Nº2 fora projetado, também, com a função de palanque.
(O Kiosque da Port of Pará, obra de Francisco Bolonha à semelhança do Bar do Parque, também pode ser visto na mesma foto.)
O que disse A Folha do Norte de 17 de fevereiro de 1939 sobre o Clipper Nº2:
“… o senhor prefeito de Belém, resolveu auctorizar a construção de outro, no boulevard Castilhos França, na junção da referida via pública com a avenida 15 de Agosto…” e “… A construção, que terá um vão de 12 metros de cumprimento por 5 de largo, coberto por uma lage de cimento armado, é accrescida por uma pestana de 2 metros, também em cimento armado, sobre a rua, de maneira a permitir aos passageiros tomar qualquer vehiculo, bonde ou omnibus, sem molhar-se. A referida lage, servirá de ‘terasse’, de onde, em dias de festas, as autoridades e convidados, poderão assistir ao desfile de tropas, cortejos, etc…”.
De todo modo o Clipper Nº2 foi o único abrigo do tipo clipper construído na Castilhos França — apesar das formas distintas que assumiam essas paradas/abrigos com comércio e serviços, algumas correlacionadas ao Streamline Moderne da arquitetura estadunidense como o Clipper Nº1 visivelmente calcado no hidroplano Fairchild 91 (Baby Clipper), suas técnicas construtivas eram a mesma: o cimento armado, como chamavam o concreto à época.


Postscriptvum:

veropa
A mesma carioca Vida Doméstica de novembro de 1939 mostra kiosques e uma das “asas” do Clipper Nº1 em sua configuração original.

Publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, História, Memória | Marcado com , , | Deixe um comentário

UFPA parará amanhã


Adufpa.

Publicado em Arquitetura e Urbanismo, Divulgação | Marcado com , , | Deixe um comentário

A demolição do Clipper de Icoaraci em 1987

Antonio Rocha Penteado [ca. 1966]


Jornal Diário do Pará de 10FEV1987 com fotos de dentro da demolição

esquina ref

Publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, História, Memória | Marcado com , , | Deixe um comentário

1973 — equipamentos urbanos do Ver-o-peso


Duas fotografias contidas em Belém (Círio) 1973; por Roberto Serra Freire indicam que pelo menos cinco equipamentos públicos dos arredores da doca do Ver-o-peso funcionavam em outubro de 1973: o Clipper Nº1 geminado à sua duplicação defronte à Praça do Relógio, a Parada com Kiosque que precedeu os clippers; o Clipper defronte à 13 de Maio e o Posto Pará localizado na Marquês de Pombal.
Tal constatação corrobora com O Ver-o-peso de Dona Lourdes Holanda onde a proprietária do posto de combustíveis com bandeira ATLANTIC da Marquês de Pombal afirma que esse equipamento, junto com o Posto Pará e os três clippers que arrodeavam a  Praça do Relógio, foi ao chão na administração de Ajax de Oliveira (prefeito de Belém entre 1975 e 1978) sem nenhuma indenização aos concessionários.


Posto ATLANTIC de dona Lourdes Holanda — datação desconhecida

Publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, História, Memória | Marcado com , , | Deixe um comentário