Divulgação

mb2

Imagem | Publicado em por | Marcado com , , | Deixe um comentário

Bagatela nº3 ‘Alla Cubana’ de W. Walton; por Marcellino Moreno

Marcellino Moreno é professor da Graduação em Música da UFPA.

Publicado em Belém, Divulgação | Marcado com , , | Deixe um comentário

Propina é disfarçada de comissão em lojas de construção

Ler: Comissão/Reserva Técnica em questão (…de novo?); por José Maria Coelho Bassalo

Publicado em Arquitetura e Urbanismo, Divulgação | Marcado com , , | Deixe um comentário

Enquete de escolha da marca Círio 2018

Proposições de estampas feitas pelos estudantes do primeiro semestre já pré-selecionadas pelos professores de Representação e Expressão:

Pesquisa de opinião pública — vote no que mais lhe agrada:

Todas as imagens são ampliáveis à melhor visualização.
A enquete da Polldaddy está configurada para admitir apenas um voto por máquina.

Publicado em Arquitetura e Urbanismo, Artes Gráficas, Artes Plásticas, Divulgação | Marcado com , , | 2 Comentários

A Escola de Aprendizes Artífices do Pará

(M.A.I.C.= Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio.)


O conjunto de prédios em questão é hoje ocupado pela Escola de Teatro e Dança do Instituto de Ciências da Arte da Universidade Federal do Pará.
A construção foi executada entre 1929-30 pelo arquiteto José Sidrim sob projeto obediente às diretrizes nacionais definidas às 19 Escolas de Aprendizes Artífices de todo o Brasil no apagar das luzes da República Velha quando tais educandários estiveram vinculados ao Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio — O Paiz 11SET1930.
A Escola de Aprendizes Artífices do Pará é a origem do atual Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará IFET.

Ler mais sobre o assunto em  A Escola de Aprendizes Artífices do Pará, 1909/42 — um estudo histórico de Péricles Antonio Barra Bastos; Fundação Getúlio Vargas, publicação virtual de 2012.


Postscriptvm (curiosidades):
1. A Escola de Aprendizes Artífices do Pará foi construída em três terrenos adquiridos pelo governo de Eurico de Freitas Valle (1929-30) com escrituras públicas lavradas em cartório no dia 20 de junho de 1930, mesmo que a União já se achasse na posse de suas áreas executando as obras; dois deles à travessa Dom Romualdo de Seixas: o n°75 (2:000$000) de Izabel de Assis Pantoja e o nº74 (8:000$000) de Jayme Rodrigues Pinto Leite; e, o nº 90-B (7:000$000) da rua Jerônimo Pimentel de Jandira Ramos da Silva — Mensagem de 1930.
2. O engenheiro civil Alfredo Boneff, segundo A Batalha de 16MAI1934, fora nomeado em virtude de concurso, para professor de desenho da Escola de Aprendizes Artífices do Pará; Boneff, indicado pelo reitor José da Silveira Netto, seria o primeiro coordenador do Curso de Arquitetura da ainda Universidade do Pará em 1964; já a portaria nº835 de 21 de novembro de 1968 publicada no DOU de 27NOV1968 designa o professor Alfredo Boneff para exercer por três anos, as funções de Diretor da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade Federal do Pará — uma outra história.

Publicado em Arquitetura e Urbanismo, História, Memória | Marcado com , , | 1 Comentário

Instituto Lauro Sodré — ilustrações da monographia de 1904





As imagens acima, desordenadas em relação à publicação de 1904, mostram as atividades do Instituto Lauro Sodré (Eschola Profissional do Estado) tanto no edifício principal, quanto em seu anexo construído em madeira às officinas.
O Instituto Lauro Sodré ocupou o complexo do Marco da Légua ainda inacabado, em setembro de 1899, no governo Paes de Carvalho e obteve incentivos (investimentos) do subsequente Augusto Montenegro — era rentável ao Estado.
Na realidade o prédio do Instituto Lauro Sodré no bairro do Marco da Légua teve sua construção anunciada em 1893 e sua pedra fundamental lançada em 04 de julho de 1894 pelo governador Lauro Sodré; seria uma das três ostentações republicanas: o Novo Collegio do Amparo (Gentil Bitencourt), a Penitenciária e o Instituto Paraense de Educandos Artífices — Paes de Carvalho mudou o nome para Instituto Lauro Sodré antes da transferência deste de casas alugadas na Estrada da Independência à sede própria na Estrada de Bragança.
O Instituto Paraense de Educandos Artífices fora criado ainda sob a égide do Império, em 1872,  instalando-se na chácara do comendador Manoel Antonio Pimenta Bueno em prédio insuficiente à sua finalidade e demanda que se foi demolindo na proporção que avançavam as obras do Novo Collegio do Amparo (Gentil Bitencourt) até que em 1896 ocupou provisoriamente as casas n°49 e n°51 alugadas de Pedro Chermont na mesma Estrada da Independência  onde,  pelo decreto nº 414 de 01FEV1897, finou sua nomenclatura monarquista.
Não confundir Instituto Paraense de Educandos Artífices (1872-97) com Escola de Aprendizes Artífices do Pará (1909-42)esta embrião do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará; o IFPA.
[A Escola de Aprendizes Artífices do Pará (Federal) ocupou edifícios distintos em Belém até que, em outubro de 1930, instalou-se definitivamente em prédio próprio, planejado em acordo com as diretrizes nacionais e executado pelo arquiteto José Sidrim na Dom Romualdo de Seixas onde hoje funciona a Escola de Teatro e Dança da UFPA.]


google TJPA.jpg
Hoje o prédio originalmente ocupado pelo Instituto Lauro Sodré em 1899 — jamais funcionou como Instituto Paraense de Educandos Artífices neste lugar  faz parte do conjunto arquitetônico do Tribunal de Justiça do Estado do Pará.

Publicado em Arquitetura e Urbanismo, Belém, Fotografia antiga, Memória | Marcado com , , | Deixe um comentário

1899 — o chalet sueco do Instituto Lauro Sodré

Em 1898 — projetos suecos em madeira destinados ao Pará observamos que: se Olympio pertenceu ao tradicional clã Chermont, o cenário (econômico, social e político) favorecia a implementação dos chalés suecos na capital e/ou interior paraenses; portanto, alguns podem ter sido erigidos.
De fato em 1899 um desses chalets pré-moldados em madeira fabricados na Suécia foi montado em 15 dias pelo diretor do Instituto Lauro Sodré, Ernesto Matoso, destinado à residência do médico naquele complexo da Eschola Profissional do Estado.
Tal chalet — de tipologia assemelhada ao exemplo contido no Catalogue Woodens House (original sem o carimbo do engenheiro Olympio Leite Chermont) — aparece em clichê ilustrativo da Monographia do Instituto Lauro Sodré publicada em janeiro de 1904:


O grande prédio em madeira à esquerda, com lanternins, abrigava as oficinas:



Plano do Instituto Lauro Sodré publicado em 1899 — apesar da marcação de um retângulo na avenida, em concordância com a foto, não há referência à residência do médico

Fontes:
Relatório do Instituto Lauro Sodré 1899 e
Relatório Instituto Lauro Sodré 1904

Publicado em Arquitetura e Urbanismo, Fotografia antiga, Memória | Marcado com , , | Deixe um comentário